PUBLICIDADE


Autor da Editora Record, Bruno Garschagen é exonerado do MEC

Intelectual conservador e especialista do Instituto Mises Brasil, demissão de Garschagen vem, coincidência ou não, após a entrada do novo secretário executivo da pasta e enfraquecimento de Vélez

- Publicado no dia
Bruno Garschagen (Foto: Reprodução / Fausto)

Mais uma baixa no Ministério da Educação, sob comando do cada vez mais combalido ministro Ricardo Vélez Rodriguez. Nesta quinta-feira (4), quem deixa a pasta é o escritor Bruno Garschagen, que chefiava o departamento de comunicação e imprensa do ministério.

De acordo com o divulgado pelo jornal O Estado de S. Paulo, Garshagen seria um dos responsáveis por difundir a polêmica carta enviada para as escolas contendo o slogan de campanha do presidente. O Boletim da Liberdade ainda não conseguiu confirmar a informação. [1]

Crises

A saída de Garschagen, que é conservador e especialista do Instituto Mises Brasil, vem após dois fatos recentes do Ministério.

Em primeiro lugar, o desempenho considerado ruim de Vélez diante da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Além de críticas ferozes da oposição, Vélez decepcionou até parlamentares liberais, como o deputado federal Tiago Mitraud (NOVO/MG).

Marcelo Calero (PPS/RJ), que é ligado ao Livres, chegou a pedir coragem a Bolsonaro de demiti-lo. Para o deputado federal, Vélez mostrou-se “totalmente despreparado” e uma pessoa “sem consciência sobre seus deveres” no comando da pasta.


PUBLICIDADE


O segundo e último fato que influenciou o MEC é o fortalecimento da ala militar, sobretudo sinalizada na recente nomeação do novo secretário executivo (espécie de “vice-ministro”), Ricardo Vieira Machado. Em declarações à imprensa, Machado deixou claro que sua missão seria ajudar a reorganizar a pasta, envolta em crises desde o início do governo.

Cada vez mais especulada (embora negada pelo presidente), há quem diga que a saída de Vélez, agora, é questão de tempo. Uma das pastas de maior orçamento da União, o Ministério da Educação tem sido, há meses, sintoma de preocupações para o governo Bolsonaro.

Sugerido pelo filósofo Olavo de Carvalho para comandar o órgão, Vélez tem histórico nos meios intelectuais. Autor de diversos livros, colaborava ainda como colunista do Instituto Liberal até assumir o comando da Educação. Contudo, a falta de experiência administrativa, respostas evasivas sobre projetos concretos para a educação e foco em questões ideológicas tem sido marcas de sua gestão.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.