fbpx
PUBLICIDADE


Ex-IMB, Lorenzon afirma que é contra a intervenção no Rio: entenda os motivos

Consultor de empresas, fundador do Clube Farroupilha e ex-executivo do Instituto Mises Brasil, o advogado gaúcho Geanluca Lorenzon apresentou dois motivos pelos quais é contrário à intervenção no Rio de Janeiro

- Publicado no dia
Geanluca Lorenzon, ao fundo, e Walter Block: autores libertários (Foto: Reprodução/Facebook)

O advogado e consultor Geanluca Lorenzon, autor do livro Ciclos Fatais: Socialismo e Direitos Humanos, ex-COO do Instituto Mises Brasil e um dos fundadores do Clube Farroupilha, posicionou-se na tarde desta sexta-feira (16) contrário à intervenção federal na área da segurança pública do Rio de Janeiro.

Para Lorenzon, existem dois motivos para ser contrário à iniciativa do presidente Temer: o primeiro deles diz respeito a enfraquecer o pacto federativo; o segundo motivo é a ideia de que isso obriga todos os brasileiros a arcarem com as decisões políticas dos fluminenses.

“Tenho evitado me posicionar politicamente mas sou contra a intervenção federal no RJ por duas razões: primeiro pois isso distorce o conceito já fraco de federação no Brasil; e segundo porque eu não quero ser responsável financeiramente como brasileiro pelas más opções políticas que a população daquele estado tem tomado há décadas”, escreveu.

+ Governo federal fará intervenção na segurança do Rio

+ Cariocas pedem intervenção federal no Rio de Janeiro e afastamento de Pezão

+ Kim: ‘Falta um candidato com propostas sérias para a segurança’

+ Líder do MBL-RJ elogia intervenção e denuncia ‘patrulha ideológica’

Já que você está aqui...

... Nós temos um pequeno favor para lhe pedir. O Boletim da Liberdade é um projeto jornalístico independente, de viés liberal, mantido por jornalistas sérios e responsáveis.

Por isso, o conteúdo do Boletim não é influenciado por donos bilionários, políticos, partidos ou qualquer outro grupo de pressão. Somos abertos a críticas, mas também não nos movemos pela militância organizada e minorias barulhentas. Isso é importante porque damos voz na imprensa para quem se importa com a construção de um país admirável e marcado pelas liberdades individuais e econômicas.

Muitas pessoas estão lendo o Boletim da Liberdade gratuitamente graças aos nossos assinantes. No entanto, nós entendemos que nossa missão não é colocar um paywall que bloqueie os leitores que não pagam. Por isso, precisamos da sua ajuda para seguir operando.

Para possamos seguir adiante, precisamos aumentar nossa base de assinantes (o custo é a partir de R$ 29,30 por trimestre) e mantenedores, que podem colaborar a partir de R$ 2,00. Para ajudar, leva apenas poucos minutos. Obrigado.
★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.