fbpx
PUBLICIDADE


Estados Unidos formalizarão desejo de incluir Brasil como ‘prioridade’ na OCDE

Entrada no chamado “clube dos ricos” é defendido com entusiasmo pela equipe econômica e foi intensamente negociada ao longo de 2019; após anticlímax, em outubro, novo anúncio foi celebrado por autoridades

- Publicado no dia
(Foto: Isac Nóbrega/PR )

Os Estados Unidos enfim formalizarão nesta quinta-feira (15) o desejo da entrada do Brasil na Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico, a OCDE. A informação foi repercutida pelos principais veículos do país e confirmada pela embaixada americana. [1][2]

Segundo uma carta já entregue à entidade, os Estados Unidos pedirão que o Brasil “seja o próximo país a iniciar o processo de adesão” ao grupo. O pedido significa que Trump indicará que prefere que o Brasil passe à frente da Argentina no processo.


PUBLICIDADE



“O governo brasileiro está trabalhando para alinhar as suas políticas econômicas aos padrões da OCDE enquanto prioriza a adesão à organização para reforçar as suas reformas políticas”, destacou a embaixada, em carta.

No final de 2019, em carta enviada à OCDE, os Estados Unidos haviam defendido a entrada apenas da Argentina e da Romênia, gesto que gerou críticas no Brasil à articulação do governo Bolsonaro.

Reação

Nas redes sociais, o ministro das relações exteriores, Ernesto Araújo, classificou que o anúncio “comprova uma vez mais que estamos construindo uma parceria sólida com os EUA, capaz de gerar resultados de curto, médio e longo prazo, em benefício da transformação do Brasil na grande nação que sempre quisemos ser”. [3]

O assessor especial para assuntos internacionais do presidente Bolsonaro, Filipe G. Martins, também se pronunciou nas redes sobre o gesto – e aproveitou para criticar a imprensa.

“Com o anúncio de que os Estados Unidos priorizam o ingresso do Brasil na OCDE, se desfaz mais um dos factóides criados pelo histérico establishment midiático para criticar a equipe de política externa do PR Bolsonaro e tentar minar a nova posição de abertura do Brasil na arena internacional”, escreveu. [4]

Foto: Reprodução/Twitter

Apelidada de “O Clube dos Ricos”, a OCDE é um grupo de nações que cooperam entre si na formulação de políticas econômicas. Na prática, a entrada do Brasil no grupo poderia ser benéfica pois atrairia mais investimentos e melhoraria a imagem do país. Negativamente, no entanto, analistas apontam que o Brasil poderia perder o papel de ser um dos líderes do mundo emergente.

+ Americanos não apoiam entrada do Brasil na OCDE neste momento, mas dão aval à Argentina

+ EUA: apoio à entrada do Brasil na OCDE continua, mas ‘a um ritmo controlado’

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.