fbpx

Americanos não apoiam entrada do Brasil na OCDE neste momento, mas dão aval à Argentina

Ministro Paulo Guedes afirmou em entrevista que os americanos justificaram a ação não pelo mérito, por uma razão estratégica; nas redes sociais, parlamentares e analistas consideraram ato derrota de Bolsonaro
(Foto: Isac Nóbrega/PR)

Apesar de longas negociações e o compromisso verbal de que o governo norte-americano apoiaria a entrada do Brasil na OCDE, foi revelado no início da tarde desta quinta-feira (10) pelo site Bloomberg que os EUA apoiaram somente o ingresso da Argentina e da Romênia no grupo, rejeitando novas nações na entidade nesse momento. [1][2][3]

A OCDE, abreviação de Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, é uma instituição de apoio mútuo na formulação de políticas econômicas e costuma ser considerada um selo de confiabilidade para investimentos internacionais.

[wp_ad_camp_1]

Com promessa pública de apoio ao ingresso do Brasil pelo presidente Trump na viagem oficial de Bolsonaro aos Estados Unidos, em março, a notícia foi considerada uma grande vitória do governo e uma possibilidade construída graças ao alinhamento entre os presidentes.

Leia também:  G20 começa nesta quarta-feira (21) no Rio de Janeiro

Após receber a notícia, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse em entrevista que a justificativa dada pelos americanos era “por estratégia”.

“Eles nos disseram que, por questão estratégica, não poderiam indicar o Brasil neste momento, mas não é uma rejeição no mérito. É uma questão de timing, porque há outros países na frente, como a Argentina. Abrir para o Brasil agora significaria ceder à pressão dos europeus, que também querem indicar mais países para o grupo”, afirmou. [4]

Repercussão

Após a notícia, diversas personalidades criticaram duramente a diplomacia brasileira nas redes sociais. Para o analista político Luan Sperandio, a notícia representaria uma “derrota na política externa de Jair Bolsonaro”.

“Não adiantou puxar o saco de Trump, Estados Unidos decidem não apoiar a entrada do Brasil na OCDE. Enfraquece ainda mais a narrativa de que Eduardo Bolsonaro na embaixada de Washington ajudará em algo”, comentou. [5]

Leia também:  Bolsonaro pode ser preso? Juristas explicam

Já o deputado federal Marcelo Calero (Cidadania/RJ), ligado ao Livres e diplomata de carreira, pontuou o risco do “alinhamento automático” pretendido por Bolsonaro com os Estados Unidos. “São sinal de deslumbramento e submissão. Não causa outra coisa a não ser frustração e perda de protagonismo”, escreveu. [6]

Em entrevista à jornalista Andrea Sadi à GloboNews exibida nesta quarta-feira (9), o ex-ministro Gustavo Bebbiano, mesmo sem saber da notícia, também havia criticado duramente o núcleo ideológico que cerca o presidente Bolsonaro e, sem citar nomes, fez uma menção indireta a Filipe G. Martins, assessor especial para assuntos internacionais da presidência da República.

Considerado por Bebbiano como inexperiente, Martins faz parte do núcleo ideológico e tido um dos mentores da política de alinhamento automático norte-americano.

Leia também:  G20 começa nesta quarta-feira (21) no Rio de Janeiro

[wp_ad_camp_3]

Compartilhe essa notícia:

Assine o Boletim da Liberdade e tenha acesso, entre outros, às edições semanais da coluna panorama

plugins premium WordPress
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?