fbpx
PUBLICIDADE

Novo MBL deve ser pautado por cinco princípios, diz coordenador da entidade

'MBL 3.0' deve ser mais municipalista, focar em ideias, tentar repensar o país como os primeiros liberais do século 19 fizeram e focar experiências que aplicam as ideias liberais aos pobres
Ativistas do MBL armam barraca à frente da sede do Facebook Brasil, em São Paulo, em protesto ocorrido em 2018 (Foto: Reprodução/Facebook - Divulgação/MBL)
Ativistas do MBL armam barraca à frente da sede do Facebook Brasil, em São Paulo, em protesto ocorrido em 2018 (Foto: Reprodução/Facebook – Divulgação/MBL)
PUBLICIDADE

Após a eleição do presidente Jair Bolsonaro, o Movimento Brasil Livre começou a dar sinais do interesse de se reformular e fazer uma autocrítica. Na última quarta-feira (14), Ricardo Almeida, coordenador da entidade, publicou no site MBL News um pouco do que chamou de “MBL 3.0”.

PUBLICIDADE

No texto, o ativista afirmou que a nova fase do movimento será baseada em, pelo menos, cinco ideias centrais. A primeira diz respeito à não espetaculização da polarização. “O espetáculo não polariza, mas irmana todo mundo na burrice. É preciso divergir em um nível mais fundamental. No nível do diálogo possível, há como polarizar sem ser estúpido. Essa é a primeira regra, ainda que não apareça ninguém para conversar”, diz.

Na sequência, Almeida propõe que o movimento ajude a construir um projeto de país. Com o título que afirma que “o Brasil é um projeto inacabado”, o professor observa que poucos brasileiros são orgulhosos e a maioria gosta de se auto-depreciar. É preciso resgatar a ideia de país:

PUBLICIDADE

“O liberalismo brasileiro do século XIX criou as instituições deste país. A melhor experiência liberal do Brasil foi o Segundo Império. A maior parte dos liberais já concorda. Voltemos às origens, essa é a segunda regra”, escreve.

Depois, o ativista ressalta que os memes continuarão a ser utilizados pela instituição como ferramenta de comunicação, mas terão maior foco em ideias. “Agora, devem dizer o que queremos. Menos golaço, mais teoria – terceira regra'”, afirma. A quarta regra, por sua vez, é a defesa de um “liberalismo popular”.

“Chega de liberalismo engravatado de elite. Não é simples. É preciso forjar uma nova comunicação. Pois o único liberalismo que interessa é aquele que prova, na realidade da experiência econômica das massas, a sua superioridade. Este será o horizonte e a nossa quarta regra”, defende.

O último princípio que deve guiar o movimento é, para Almeida, o municipalismo. No texto, faz uma autocrítica sobre o apoio a políticos em eleições presidenciais e promete que o movimento não terá, a partir de 2022, mais candidatos oficiais ao Planalto. “Nosso objetivo é construir a política onde podemos efetivamente medir a competência executiva do movimento: municípios, cidades pequenas, nichos locais, incubações regionais. A política do MBL dá uma virada decididamente municipalista, construindo os grandes temas nacionais de baixo para cima”, afirma.

PUBLICIDADE

Confira o artigo na íntegra clicando aqui.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama