fbpx
PUBLICIDADE

Associação liberal Livres se manifesta favorável ao impeachment

Em nota técnica contendo 12 páginas, grupo lista diversos crimes de responsabilidade que Bolsonaro teria cometido e menciona exemplos e ocasiões para cada cenário, incluindo convite para Pazuello participar de ato político no Rio
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
PUBLICIDADE

A associação liberal Livres anunciou nesta quarta-feira (16) seu posicionamento favorável ao impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Para embasar o pedido, o grupo liberou uma nota técnica contendo 12 páginas.

PUBLICIDADE

Nas redes sociais, a entidade afirmou que “o Brasil não é mais capaz de suportar a incompetência e o negacionismo” do presidente e que “suas ações têm fragilizado nossa democracia e ceifado vidas por conta da Covid-19”.

Na avaliação do Livres, o presidente “já incorreu em diversos crimes de responsabilidade”, entre eles no que seria a “flagrante omissão do governo diante das ofertas para aquisição de vacinas pela Pfizer”, um exemplo de “crime contra o direito fundamental à vida e o direito social à saúde”.

PUBLICIDADE

O grupo pontuou ainda que Bolsonaro “atacou a democracia e ameaçou a convivência harmoniosa dos Poderes da República” quando, segundo a entidade, teria participado de “manifestações que pediam o fechamento do Congresso e do STF”, “endossado manifestações contrárias aos presidentes das Casas do Congresso” e quando “manifestou-se e participou ativamente […] de atos notoriamente favoráveis ao AI-5 e ao fechamento dos outros poderes”.

A associação destacou ainda que Bolsonaro promoveu “ataques contra o Sistema Eleitoral e a Democracia” ao “imputar a prática de crime gravíssimo”, entre eles ter havido “fraude na eleições de 2018” sem apresentar provas.

O grupo também mencionou as vezes em que Jair Bolsonaro “foi ao encontro da população e saudou populares com as mãos nuas e sem o uso de máscaras” e “instou a população a contrariar medidas sanitárias de Estados e Municípios”, bem como quando teria “menosprezado a importância da vacinação”. Para a entidade, seriam exemplos de “ataques contra a segurança interna do país”.

O Livres recorreu também à recente participação do general Eduardo Pazuello, na ativa e nos quadros do Exército, em ato político que ocorreu no Rio de Janeiro, em maio.

PUBLICIDADE

Para a entidade, o presidente “incitou diretamente militares da ativa a participarem de manifestações políticas, em flagrante desobediência ao regimento militar” e a medida constituiria “omissão quanto a efetiva responsabilidade dos seus subordinados”.

“Jair Bolsonaro é incapaz de compreender a dimensão institucional do cargo de Presidente da República e de desempenhar a contento essa elevada responsabilidade”, pontuou o grupo, que destacou ainda que Bolsonaro “provoca, deliberadamente, a instabilidade político-administrativa do Brasil”.

“O Presidente Jair Bolsonaro precisa ser responsabilizado por suas ações, que além de comprovadamente incompatíveis com as responsabilidades presidenciais e a ordem constitucional vigente, são atentatórias à estabilidade institucional do país e à preservação da vida dos brasileiros”, finaliza o grupo. [1][2]

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama