fbpx
PUBLICIDADE

Presidente da Câmara susta comissão da reforma tributária que estava avançada

Arthur Lira defendeu que a medida evita contestações judiciais, dado que a comissão já estava com o prazo expirado, mas elogiou relatório e disse que poderá ser aproveitado
Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP/AL), confirmou na noite desta terça-feira (5) sua decisão de sustar a comissão especial da reforma tributária.

PUBLICIDADE

A medida ocorreu no mesmo dia em que o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP/PB) apresentou seu relatório favorável à unificação de diversos impostos sobre a bandeira de um novo tributo a ser criado, o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). O relatório havia sido elogiado por liberais. [1]

Para justificar a decisão, o presidente da Câmara reforçou em sua fala que a decisão evita “qualquer tipo de contestação judicial futura”. O prazo da comissão especial mista para discutir o tema já havia expirado há mais de um ano.

PUBLICIDADE

“O objetivo, na realidade, é de preservar a tramitação da reforma tributária no Congresso Nacional. Quero agradecer imensamente ao relator Aguinaldo Ribeiro pelo excelente e extraordinário trabalho que apresentou e acho que nós partiremos de um conjunto de reflexões já avançadas”, pontuou.

Leia também:  Partido Novo critica 'Centrão' por proposta de reforma eleitoral

Lira também pontuou que “nada se desperdiça no Congresso Nacional” e que o relatório, que foi elogiado por liberais, poderá ter alguns pontos incorporados ou mesmo “grande parte” do texto no novo processo que terá início.

“Vamos agora definir a melhor forma de fazer, em menor prazo, um relatório e um modelo de tramitação eficiente para que possamos aprovar a reforma tributária possível no prazo mais rápido”, pontuou, dizendo que “entre o tudo e o nada, prefere o melhor possível”.

Reações

Nas redes sociais, deputados liberais criticaram a medida. Paulo Ganime (NOVO/RJ) classificou a decisão como “retrocesso”. [2]

PUBLICIDADE

O deputado federal Vinicius Poit (NOVO/SP), por sua vez, pontuou que “71 sessões de discussão sobre o tema, 1 relatório final, várias contribuições técnicas e jurídicas que se perderam” e que “entre quedas de braço, a economia vai respirando por aparelhos” [3]

Leia também:  Deputado do NOVO protocola projeto para suspensão de aumento do IOF

O deputado federal Lucas Gonzalez (NOVO/MG), que havia elogiado o relatório de Aguinaldo Ribeiro anteriormente, classificou a decisão de sustar a comissão como “inacreditável, desrespeitosa e injustificável”. [4]

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?