fbpx
PUBLICIDADE

Impeachment está ‘desenhado’, diz líder do NOVO na Câmara

Na opinião de Vinícius Poit (NOVO-SP), o presidente da República terá problemas para ceder a todas as demandas por cargos e emendas dos parlamentares do "Centrão"
Vinícius Poit (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
PUBLICIDADE

O líder do Partido Novo na Câmara, Vinícius Poit (SP), em entrevista publicada nesta sexta-feira (9), declarou que o impeachment de Jair Bolsonaro está “desenhado”. O risco seria justificado pelos problemas apontados no projeto orçamentário para 2021 aprovado pelo Congresso. [1]

PUBLICIDADE

Repercutindo as diretrizes do partido que determinaram a ida do NOVO para a oposição, Poit afirmou que o presidente da República é “estelionatário eleitoralmente”. Bolsonaro, em seu diagnóstico, “não privatizou nada, aumentou o número de ministérios e recentemente cogitou criar um ministério só para garantir o foro privilegiado para Eduardo Pazuello.”

O deputado acrescentou que o mandatário da República não sabe dialogar e, em consequência, “o que sobra é dinheiro de emenda e cargo. Por isso, as pautas estão travadas e não anda nada”. Na visão dele, o Tribunal de Contas da União (TCU) pode pressionar o governo por conta do Orçamento 2021.

PUBLICIDADE

“O TCU vai apertar o governo e eu espero que seja o seguinte, ‘olha presidente com esse orçamento aí vocês não vão conseguir cumprir o teto, a menos que se faça pedalada fiscal'”, disse Poit. “Fazendo pedalada fiscal é impeachment, porque pedalada fiscal foi impeachment para a Dilma e é para o Bolsonaro também. Então isso está muito bem desenhado e didático para ninguém ter dúvida.”

Poit não vislumbra um desfecho positivo para o governo federal: “O presidente está nas mãos do Congresso e supostamente tem uma turma ali que está chantageando. Está na cara que isso vai dar ruim. O caminho para o Brasil é em 2022 tirar esse presidente e renovar esse Congresso”.

Na opinião dele, o presidente não conseguirá ceder a todas as demandas por cargos e emendas para “saciar a vontade” dos parlamentares do grupo político conhecido como “Centrão”. “Isso vai azedar. Não sei se o caminho vai ser o impeachment mesmo, mas tudo acaba desenhando para isso”, completou.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama