fbpx
PUBLICIDADE

Presidente do Peru faz manobra pra evitar impunidade na Lava Jato

Presidente de centro-direita, Martín Vizcarra utilizou instrumento da própria constituição para evitar que oposição, dominada por populistas e esquerdistas, prejudicasse julgamento da Operação Lava Jato
Martin Vizcarra, presidente do Peru (Foto: Reprodução)
Martin Vizcarra, presidente do Peru (Foto: Reprodução)

O suicídio do ex-presidente peruano Alan García, em abril, não encerrou, nem de longe, a crise institucional do Peru – um dos países que mais crescem na América Latina. Desta vez, o novo episódio é refletido no rompimento do Congresso com o presidente Martín Vizcarra (PPK), de centro-direita, ocorrido nesta segunda-feira (30). [1]

A crise se acirrou após Vizcarra, irritado com a negativa do Legislativo em alterar o método de escolha para a Suprema Corte, anunciar em rede nacional de televisão a dissolução do parlamento – medida que causou revolta nos parlamentares, em sua maioria fujimoristas (populistas) e de esquerda.

Por mais que estranha a dissolução, a medida é prevista na constituição peruana, “desde que sejam realizadas novas eleições nos próximos quatro meses”, explicou ao Boletim o advogado Javier Curay, que faz parte da Rede Latino-Americana de Jovens pela Democracia. Vizcarra conta com o endosso das forças armadas na atitude.





O presidente é crítico à intenção do Congresso de forçar a nomeação de juízes alinhados ideologicamente ao grupo ao Tribunal Constitucional – um total de seis entre os sete magistrados. Na prática, uma vez efetivada, a medida daria controle à oposição na Suprema Corte em um momento em que devem ser julgados diversos casos de corrupção.

“O governo está tentando lutar contra a corrupção e os partidos envolvidos na Lava Jato [peruana, desdobramento da brasileira] estão querendo se proteger”, explica Curay.

Como protesto à dissolução e para estremecer as instituições, o Congresso decidiu – ilegalmente, dado já estar dissolvido – passar o cargo de presidente para a vice-presidente, Mercedes Araóz. Rompida com o governo, ela aceitou: ainda de madrugada, fez um juramento assumindo o posto e prometeu uma “nova etapa de convivência democrática e acordo com a governabilidade”. [2]





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama