fbpx
PUBLICIDADE


Mesmo com escândalos de corrupção, economia peruana cresce 4% em 2018

Analistas associam forte crescimento contínuo à manutenção de principais pilares econômicos e que PIB per capita peruano deve superar o brasileiro nos próximos anos

- Publicado no dia
Capital de Lima, Peru sente os reflexos do crescimento econômico do país (Foto: Reprodução/Facebook)

Assolada por escândalos de corrupção que envolveram a investigação de quatro ex-presidentes, a economia peruana persiste com um ritmo de elevado e contínuo crescimento econômico nos últimos anos.

O país observou no quadriênio 2015-2018 um crescimento médio de 3,5%, contra queda de -1,2% para o Brasil no mesmo período, segundo dados do FMI.

Para o período de 2019-2020, o FMI projeta um crescimento médio de 4% para o Peru, contra 2,3% para o Brasil.


PUBLICIDADE



Os fortes resultados de PIB confirmam que a queda do ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski, que foi substituído, no ano passado, pelo seu vice, Martín Vizcarra, não teve impacto significativo sobre a saúde da economia.

*Projeção Estimada – Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI)

Escândalo de Corrupção

Sede da Odebrecht em São Paulo: empresa seria um símbolo do ‘capitalismo brasileiro’ exportador de corrupção (Foto: Divulgação)

Na última quarta-feira (17), desdobramentos da operação em território peruano tiveram um momento marcante com o suicídio do ex-presidente Alan García, quando a polícia tentava prendê-lo. Ele era acusado de receber propina da empreiteira Odebrecht durante seu segundo mandato, entre 2006 e 2011 – o que García negava.

Além de Alan García (1949-2019), que governou o país duas vezes (entre 1985-1990 e entre 2006-2011), os ex-presidentes Alejandro Toledo (2001-2006), Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018) respondem judicialmente a processos decorrentes das investigações da Operação Lava Jato.

Uma das principais líderes da oposição, Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, também foi acusada de receber irregularmente dinheiro da Odebrecht para suas campanhas políticas.


PUBLICIDADE



Manutenção dos pilares econômicos

Palácio da Justiça de Lima, no Peru (Foto: Wikimedia)

Segundo matéria publicada pelo site BBC News Brasil, analistas consideram que a economia peruana completou vinte anos consecutivos de crescimento e estabilidade.

Uma das razões para esta trajetória ininterrupta de crescimento se deveu à manutenção dos principais pilares econômicos: abertura do mercado, ambiente de previsibilidade para investimentos estrangeiros, livre comércio, inflação e gastos baixos. [1]

Os indicadores de liberdade econômica da Heritage Foundation, confirmam o cenário avaliado para o país. O Peru é situado em 45o no ranking mundial de liberdade econômica, contra 150o no Brasil.

O indicador é calculado a partir da avaliação de quatro categorias: abertura ao comércio exterior, tamanho do governo, proteção a direitos de propriedade e eficiência regulatória.

Os indicadores peruanos também apontam para resultados macroeconômicos mais favoráveis que os brasileiros. A inflação peruana, no ano de 2018, observou taxa de 2,8%, contra 3,4% da brasileira.

A dívida pública, que mede o total de estoque de dívidas e obrigações mantidas pelo governo, alcança o patamar de 25,5%. O Brasil observa um nível de 84%.

Os resultados de desemprego também apresentam menor nível na comparação ao Brasil, de 3,6% contra 13,3%, respectivamente. Os dados correspondem à média anual de 2018.

  Brasil Peru
População (milhões) 207,7 31,8
PIB (bilhões em dólares PPP) 3240,3 424,4
PIB per capita (em dólares PPP) 15603 13334
Desemprego (em %) 13,3 3,6
Inflação (em %) 3,4 2,8
Dívida Pública (em % do PIB) 84,0 25,5
Índice de Liberdade econômica (ranking mundial) 150 45

Fonte: Heritage Foundation 2018

Outros fatores apontados pelos analistas para o baixo impacto dos escândalos da Odebrecht na economia peruana estão a alta diversificação da economia (que abrange da mineração e produtos do ramo agroindustrial a turismo), a maior exposição aos mercados exteriores asiáticos e menor peso do setor de obras públicas na economia agregada (inferior a 3% do PIB).

Renda per capita peruana deve superar a brasileira

A renda per capita peruana (US$ 13,3 mil), que hoje se situa levemente abaixo da brasileira (US$15,6 mil) no ano de 2018, deve ultrapassar a brasileira nos próximos anos.

Em post publicado neste domingo nas redes sociais, o economista Ricardo Amorim afirmou que em 1980, cada brasileiro ganhava em média 56% mais do que um peruano; hoje a diferença é só de 14%. No mesmo período, o brasileiro ganhava em média 79% mais do que o colombiano; hoje a diferença é só de 7%. [2]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.