PUBLICIDADE


Países percebem que Brasil foi exportador de corrupção, analisa professor

Suicídio do ex-presidente peruano Alan García após mandado de prisão decorrente da Lava Jato deixou claro as consequências da corrupção iniciada no Brasil em países vizinhos, analisa professor Paulo Velasco

- Publicado no dia
Alan García, ex-presidente do Peru que governou entre 1985 e 1990 e entre 2006 e 2011 (Foto: Reprodução/Facebook)

O ex-presidente peruano Alan García virou manchete no Brasil ao desferir um tiro contra a própria cabeça na manhã desta quarta-feira (17) em Lima, no Peru. A medida, drástica e extrema, contudo, não é boa para o Brasil – na verdade, implica mais o país no processo de desestabilização política que o Peru está passando.

É que García decidiu se suicidar após policiais chegarem em sua casa para cumprir um mandado de prisão preventiva. A medida é decorrente de investigações do braço peruano da Operação Lava Jato. García fora delatado por um ex-executivo da Odebrecht como receptor de propina da empreiteira brasileira.

Para entender mais esse caso e saber se existe alguma razão pela qual foi um político peruano que se matou diante do temor da prisão e não um brasileiro, o Boletim da Liberdade conversou com Paulo Velasco, professor universitário, doutor em ciência política e mestre em Relações Internacionais.

Segundo Velasco, o Brasil carrega agora um passivo ainda maior de ser um motivador de instabilidade e um “exportador de corrupção”. Confira:

Boletim da Liberdade: Há alguma razão, seja cultural ou até conjuntural, para essas diferenças de reações entre as classes políticas e econômicas do Brasil e do Peru? Ou esse foi um caso isolado?

Paulo Velasco: Não vejo questão cultural no ato extremo do Alan García. O Peru não é propriamente uma sociedade, ou uma cultura, que possamos considerar tão avessa assim às humilhações públicas como outros países. Se fosse, por exemplo, no Japão, poderíamos entender que é uma questão cultural e não raramente vemos atos desse tipo [suicídio] praticados por políticos japoneses quando são pegos em atos de corrupção ou desvio de dinheiro. Lá, representa um ato de humilhação muito grande para a sociedade, para a família.

Quanto ao Peru, porém, vejo como um caso isolado. Vários outros presidentes peruanos passaram pelo constrangimento de serem identificados nas investigações como receptores de suborno da Odebrecht, como o Ollanta Humala, o proprio Pedro Kuczynski que teve que renunciar por conta disso. Não vejo, portanto, um componente cultural no suicídio.


PUBLICIDADE



Boletim da Liberdade: Olhando a conjuntura política e também o contexto histórico, é possível perceber similaridades ou afinidades entre os grupos políticos atingidos pela Lava Jato em ambos os países?

Paulo Velasco: O que a Odebrecht fazia no resto da região, no entorno regional, nos vizinhos sul-americanos, era muito parecido com o que fazia no Brasil. Havia interesses econômicos muito fortes e eles buscavam financiar políticos de campanha de todo o tipo de coloração partidária, da esquerda à direita, passando pelos partidos mais de centro.

Assim como no Brasil, onde Operação Lava Jato alcançou todos os partidos praticamente, sem se concentrar em uma linha ideológica específica, no Peru foi a mesma coisa. Temos desde o Ollanta Humala, de esquerda, progressista, ao Pedro Kuczynski, de direita, conservador, além do Alan García, que é o típico populista sul-americano. Essa corrupção que o Brasil exportou para a região não privilegiava nenhuma coloração partidária específica.

Sede da Odebrecht em São Paulo: empresa seria um símbolo do ‘capitalismo brasileiro’ exportador de corrupção (Foto: Divulgação)

Boletim da Liberdade: Como os desdobramentos da Operação Lava Jato estão sendo recebidos nos demais países latinoamericanos? 

Paulo Velasco: De um lado, há o sentimento de que é importante o combate à corrupção. Esse foi um dos pontos destacados na Cúpula das Américas de Lima, da qual o Trump não participou. O sentimento recebido ali era positivo, que finalmente algo estava sendo feito de forma comprometida para enfrentar o tema da corrupção – que não é uma exclusividade brasileira, mas algo endêmico da região.

Mas há também o outro lado, ou seja, a percepção que o Brasil é um problema. Em outras palavras, que o Brasil se tornou um exportador de corrupção para a região, que as empresas que capitaneavam o “capitalismo brasileiro”, isto é, nossa internacionalização e investimentos mundo afora, estavam absolutamente envolvidas com a corrupção, como a Odebrecht e a Petrobras.

Isso afetou o capitalismo brasileiro, afetou os interesses diplomáticos do Brasil na região e hoje é um passivo que o Brasil carrega junto aos vizinhos: ser visto como um elemento de instabilidade, que desestabilizou países vizinhos, colocou presidentes peruanos na cadeia, de alguma maneira contribuiu indiretamente com o suicídio de um ex-presidente peruano.

Por enquanto, a situação está muito circunscrita no Peru, mas as investigações avançam em outros países, especialmente Colômbia e Equador. Veremos desdobramentos muito severos porque pensar em Odebrecht significa pensar nos investimentos do Brasil em vários lugares, também na África e no Oriente Médio.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.