fbpx
PUBLICIDADE

Bolsonaro confirma que demissão de Marcos Cintra foi por insistir na CPMF

Em publicação nas redes sociais, o presidente também afirmou que exoneração se deu 'a pedido' e que será contrário a qualquer tipo de 'recriação' da CPMF, bem como aumento de impostos
(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nas redes sociais no início da noite desta quarta-feira (11) que é contrário ao projeto de “recriação da CPMF e o aumento da carga tributária” e que a demissão de Marcos Cintra, ex-Secretário de Receita Federal, mais cedo, se deu pela insistência no tema. [1]

“TENTATIVA DE RECRIAR CPMF DERRUBA CHEFE DA RECEITA. Paulo Guedes exonerou, a pedido, o chefe da Receita Federal por divergências no projeto da reforma tributária. A recriação da CPMF ou aumento da carga tributária estão fora da reforma tributária por determinação do Presidente”, escreveu.

Ao frisar que a saída de Cintra se deu “a pedido”, o presidente não deixou claro se foi a pedido do próprio presidente ou do ex-secretário da Receita Federal. Caso tenha sido a primeira opção, trata-se da primeira interferência direta do Executivo no segundo escalão do Ministério da Economia, fenômeno que deve ocorrer em breve no Ministério da Justiça com a possível troca de comando na Polícia Federal.





Defensor da criação de um imposto sobre movimentações financeiras, o Instituto Brasil 200, liderado por Gabriel Kanner, Flávio Rocha e Joice Hasselmann, não se manifestou sobre o assunto até a publicação desta matéria. Na última terça-feira (10), o próprio ministro Paulo Guedes defendeu a possibilidade da volta da CPMF como compensador da redução de outros tributos.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama