fbpx
PUBLICIDADE

Documentário sobre ‘revolução conservadora’ de Josias Teófilo é autorizado a captar pela Lei Rouanet

Produção recebeu autorização para captar de possíveis patrocinadores a importância de R$ 530 mil, que seriam renunciados pelo Estado; primeiro filme de Josias Teófilo sobre Olavo teve apenas financiamento coletivo
Josias Teófilo (Foto: Divulgação)

Josias Teófilo (Foto: Divulgação)

O documentário “Nem tudo se desfaz”, anunciado no início do mês como um contraponto à direita de “Democracia em Vertigem”, poderá utilizar recursos públicos, por meio de renúncias fiscais, para a sua produção. Ao menos é isso o que informou nesta terça-feira (23) a jornalista Monica Bérgamo, da Folha de S. Paulo, que divulgou um relatório da Agência Nacional de Cinema (Ancine) que autoriza a captação de R$ 530 mil ao filme pela Lei Rouanet. [1]

Com o subtítulo de “como vinte centavos iniciaram uma revolução conservadora”, a obra – que estampa Jair Bolsonaro em sua capa divulgada – é produzida pela “Lavra Filmes” e terá como diretor Josias Teófilo. Foi ele quem produziu “O Jardim das Aflições” (2017), filme que se propôs a retratar parte da filosofia do filósofo Olavo de Carvalho.

Foto: Divulgação

Sucesso de crítica, a produção, aliás, recorreu a outro método de financiamento: o crowdfunding (financiamento coletivo). Na ocasião, foi captado mais de R$ 300 mil na modalidade, considerado um recorde até então.





Ao jornal, o cineasta afirmou que a produção não é “sobre Bolsonaro, nem pró-Bolsonaro”, mas que acredita que “as pessoas de direita vão gostar [do filme] porque [ele] não vem com essas palhaçadas de dizer que [o impeachment de Dilma] foi golpe parlamentar, ignorando milhões de pessoas que foram às ruas [protestar]”.

A notícia sobre o financiamento com recursos públicos (renúncias fiscais) da produção surge em um momento de críticas do presidente Bolsonaro sobre as políticas da Ancine. O presidente mirou grande parte de sua reclamação ao uso de recursos públicos em produções como “Bruna Surfistinha” (2011), que retratou a vida de uma prostituta paulistana. Para Bolsonaro, tratou-se de um filme “pornô”. A Lei Rouanet, contudo, já vinha sendo alvo de críticas de setores de direita fazia tempo.

+ Em 2017, o Boletim da Liberdade entrevistou Josias Teófilo





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama