fbpx
PUBLICIDADE


Nas redes, Bolsonaro repete Guedes e sugere tributação sobre dividendos

Presidente defendeu a redução de impostos para pessoas jurídicas, mas a inclusão do Brasil na “prática internacional” de tributar acionistas que recolherem dividendos, atualmente isentos

- Publicado no dia
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro deu indícios, nas redes sociais, na manhã deste sábado (30), sobre projetos de reforma tributária que a equipe do ministro Paulo Guedes, da Economia, pretende executar. [1]

“A ideia seria a troca da cobrança de Imposto de Renda sobre os dividendos. Atualmente, as empresas do Brasil que lucram mais de R$ 20 mil por mês pagam 25% de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e 9% Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), totalizando 34%. Em compensação, desde 1995, o Brasil não cobra Imposto de Renda sobre dividendos (parcela do lucro distribuída aos acionistas de uma empresa), na contramão da prática internacional”, disse o presidente, sem maiores detalhes.


PUBLICIDADE



Em agosto, antes mesmo do primeiro turno, em evento fechado ao qual o Boletim da Liberdade teve acesso, Guedes defendeu a mesma ideia.

“Tem sentido essa quantidade de impostos? Tem sentido pessoa jurídica [pagar] 17,5% e pessoa física [pagar] 27,5%? Tá errado. [O ideal] é 20% pra todo mundo, não quero saber se é PJ ou pessoa física. Faz o que você quiser. O imposto deve ser invariante a sua forma de organização. É salário, é dividendo, é tudo 20%”, disse Guedes, na ocasião.

Hoje Ministro da Economia e na época apenas especulado para o cargo em caso de vitória de Bolsonaro, ele complementou:

“Como é nos Estados Unidos? É 20%? Então aqui deve ser 15%. Se o cara deixar o dinheiro na empresa, então deixa acumular. Ganhou 100? Paga só 15%. Acumula. Investe. Cria emprego. ‘Ah, não, vou mandar para o Paulo ali que é acionista e ele quer um dinheiro’. Então passa 20% pra cá”, prometeu.

Na mesma reunião, Guedes também defendeu criar um novo imposto sobre movimentação financeira, similar à CPMF, para substituir outros impostos federais. A informação, publicada em furo jornalístico pelo Boletim da Liberdade, foi noticiada pela imprensa tradicional um mês depois. Por conta de reações negativas, Bolsonaro garantiu que não tomaria essa atitude. [2][3]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.