fbpx
PUBLICIDADE


‘Perguntaram o que ganhariam ao me apoiar’, diz Janaína Paschoal sobre o Partido Novo

A candidata do Partido Social Liberal à presidência da Alesp questionou o partido por supostamente querer benefícios em troca do apoio; NOVO deu sua versão para o caso

- Publicado no dia
Janaína Paschoal (Marcelo Camargo / Agência Brasil)

Derrotada na eleição para a presidência da Assembleia Legislativa de São Paulo, a jurista Janaína Paschoal, deputada pelo PSL, fez uma dura crítica ao Partido Novo em vídeo que está circulando nas redes sociais depois da votação, no último dia 15. Segundo ela, os deputados da legenda não pensaram no bem de São Paulo e perguntaram que benefícios teriam ao apoiá-la.

“É mentira que nós não propusemos parceria. Nós propusemos ao PSB para que nós saíssemos para a presidência e eles para a primeira secretaria, até o momento recusaram. Nós propusemos ao NOVO, cujos integrantes perguntaram o que ganhariam ao me apoiar. Era muito risco me apoiar… Então nós propusemos sim, porque o nosso intuito era somar força. Se o NOVO estivesse do nosso lado, nós seríamos 20 (…) para votar em mim para a presidência e alguém do NOVO para a primeira secretaria. A quem eles estão ajudando? À população brasileira não. Ao povo de São Paulo, não”, esbraveja Janaína.

Conforme o Boletim noticiou, a parlamentar recebeu apenas 16 votos, sendo 15 do seu partido e um do deputado Arthur do Val (DEM/SP), elegendo-se como presidente o deputado Cauê Macris (PSDB/SP) e assumindo como primeiro secretário Ênio Tatto, do PT.


PUBLICIDADE



A resposta do NOVO

Procurado pelo Boletim, o NOVO negou que tenha perguntado que benefícios obteria caso apoiasse Janaína. “A decisão de lançar candidato próprio partiu de uma filosofia do partido de sempre buscar espaço para marcar posição e expor nossas ideias e da análise estratégica de um cenário onde a outra candidatura de renovação mostrava dificuldades em conquistar possíveis apoios que estavam indo para o atual presidente”. O NOVO afirma ter acreditado que poderia angariar esses apoios.

“Ainda assim, apoiamos o Major Mecca, do PSL, visando maiores chances de vitória, e abrimos mão de disputar a primeira secretaria, que Janaína tinha nos oferecido. Também apoiamos e tivemos apoio do PSL para os outros cargos. Se quiséssemos de fato algo em troca, seria muito mais vantajoso apoiar candidatos do acordão, como todos os outros partidos fizeram”, objetou o partido, pontuando que os fatos desmentem a acusação de Janaína.

Confira o vídeo que mostra a declaração de Janaína:

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.



Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.