PUBLICIDADE


João Amoêdo e bancada federal do Partido Novo se manifestam sobre liminar

Ex-candidato à presidência da República sugeriu que o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, seja pressionado para revogar a liminar do ministro Marco Aurélio Mello

- Publicado no dia
João Amoêdo (Foto: Divulgação)

João Amoêdo, ex-candidato à presidência da República pelo Partido Novo, e a bancada de deputados federais eleitos pela legenda se manifestaram na tarde desta quarta-feira (19) sobre a polêmica decisão do ministro Marco Aurélio Mello que liberou a soltura de presos em segunda instância. [1][2]

Nas redes sociais, Amoêdo afirmou que “criminosos, como Lula, não podem ser colocados em liberdade por uma decisão monocrática, tomada no último dia do Judiciário, para que não possa ir a plenário”.

“Vamos nos mobilizar para reverter. O Brasil não pode andar para trás na luta pelo fim da impunidade”, afirmou Amoêdo. Mais tarde, sugeriu aos seguidores que o Ministro Dias Toffoli fosse pressionado para cassar a liminar de Mello. [3]


PUBLICIDADE



Já a bancada de deputados federais eleitos, em nota compartilhada pelo futuro líder da bancada, o deputado federal eleito Marcel van Hattem (NOVO/RS), reforçou que também fará o possível para reverter a liminar, que chamou de “absurda”.

“Não há espaço para retrocessos e insegurança jurídica. Quem cometeu crimes e foi condenado precisa enfrentar o rigor da lei e cumprir a pena imposta. A lei deve ser igual para todos”, diz o texto divulgado pela bancada.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Leia também:  NOVO celebra avanço de reformas na Câmara, mas quer manter poderes da Receita Federal
Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.