SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Falsa pesquisa da USP ajudou a propagar que MBL disseminava ‘fake news’, esclarecem pesquisadores em artigo

Marcio Moretto e Pablo Ostellado esclareceram em texto publicado no jornal ‘Folha de S. Paulo’ que suposta pesquisa da USP que apontava MBL como principal disseminador de ‘fake news’ nunca existiu

- Publicado no dia
Manchete do site Brasil 247, de posicionamento editorial à esquerda, repercutiu fake news de pesquisa fictícia da USP (Foto: Reprodução)

Os pesquisadores Marcio Moretto e Pablo Ostellado, ligados à USP, alertaram neste sábado (31) em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo sobre uma “notícia falsa sobre notícias falsas” que circula na internet e que aponta o MBL como um dos maiores propagadores de fake news da rede. Moretto e Ostellado são professores da USP e coordenadores do projeto “Monitor do Debate Político no Meio Digital” da universidade. [1]

Segundo o texto, intitulado de “Até autoridades que fiscalizam difusão de fake news estão sujeitas a serem enganadas”, o grupo havia feito um levantamento com base em “mais de 500 fontes que produzem todos os dias cerca de 5 mil notícias políticas”. Esse estudo originalmente da USP teria sido desvirtuado por um blog chamado “Isso É Notícia” e apresentado como um ranking de “sites de notícias falsas identificados pela USP”. O conteúdo viralizou e acabou chegando ao Tribunal Superior Eleitoral.


PUBLICIDADE



Segundo Moretto e Ostellado, “o levantamento original listava apenas sites de direita e a matéria equivocada que o repercutiu concluía que o principal difusor de notícias falsas era o MBL, movimento liberal que é antagonizado pela esquerda”.  Para os professores, o texto acabou se tornando “poderosa arma política na guerra de informação entre dois campos polarizados” e que a “matéria subjacente era a de que a direita é desonesta e é a maior produtora de notícias falsas”.

“O Monitor [do Debate Político no Meio Digital] fez inúmeras notas desmentindo o suposto estudo. Apesar disso, durante esse período, centenas de perfis e páginas influentes de professores, jornalistas e políticos do Congresso difundiram a notícia”, constataram, observando que o “motor da difusão” das notícias falsas acaba sendo a “paixão política”.

Leia o artigo na íntegra clicando aqui.

+ Objetivo da imprensa ‘é tirar nossa página do Facebook do ar’, explica Renan Santos, coordenador nacional do MBL

+ Globo faz matéria contra prática do MBL e ignora que Alckmin também se beneficia.

+ No alvo da grande mídia, Luciano Ayan fala ao Boletim em entrevista exclusiva sobre censura, ‘fake news’ e narrativas

+ ‘Boa parte da mídia começou a abraçar agendas: o que é dela, favoreço; o que é contra, escondo’, explica Sachsida

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também