fbpx
PUBLICIDADE


Saiba por que o Brasil 200 não quer protestar de branco contra o crime

Ativista do Brasil 200 e em segurança pública, o engenheiro Roberto Motta explicou ao Boletim da Liberdade que o pedido para que os manifestantes compareçam de verde e amarelo possui uma simbologia

- Publicado no dia
Foto: Hoje São Paulo / Agência Social de Notícias

O Boletim da Liberdade noticiou nesta quarta-feira (22) que movimento Brasil 200, liderado pelo empresário Flávio Rocha, organiza para o próximo domingo (25) uma grande manifestação em apoio às forças de segurança no Rio de Janeiro. Das especificações, no entanto, uma é curiosa: a mobilização pediu que os cidadãos não compareçam ao evento vestidos de branco, como tradicionalmente ocorre nas manifestações contra a violência na cidade, mas sim de verde e amarelo.


PUBLICIDADE



Roberto Motta, ativista do Brasil 200 e entrevistado pelo Boletim da Liberdade em janeiro, explica o por quê: “Não se veste branco e se pede paz a criminosos. Aos criminosos, você dá a lei. A melhor maneira de obrigar os criminosos a cumprir a lei é através de uma polícia que seja apoiada pela sociedade, devidamente estruturada, equipada e honrada. Por isso que as pessoas devem ir vestidas de verde e amarelo. Porque a gente está numa guerra contra o crime, e não pedindo paz para pessoas que estão sensíveis a esse tipo de apelo”

Desde o início do ano, após anunciada a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, o Brasil 200 tem sido uma das vozes mais ativas do ecossistema pró-liberdade no tema. No início de março, em grande apresentação, houve inclusive a distribuição de um plano de segurança para o Brasil e um plano mais emergencial e específico para o Rio de Janeiro.

+ RJ: MBL e Brasil 200 organizam ato em apoio às Forças de Segurança no domingo

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.



Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.