fbpx
PUBLICIDADE

Brasil 200 elabora plano emergencial para segurança pública no Rio

Além do plano geral para a segurança pública no país, o movimento ainda planejou medidas específicas para o Rio de Janeiro, incluindo uma campanha de comunicação
(Foto: Reprodução / Tiat)
(Foto: Reprodução / Tiat)

O Boletim divulgou neste domingo (4) o plano nacional de segurança pública idealizado pelo movimento Brasil 200 e liberado para o público na última sexta-feira (2). Porém, anexado ao projeto geral, o grupo liderado pelo empresário Flávio Rocha também reagiu à intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, elaborando um plano específico para a crise no estado.

Como fez com o plano nacional, o Boletim traz até o leitor o resumo desse plano:

Uso de forças especiais: O Brasil 200 defende o acionamento de forças especiais da Marinha e do Exército com autoridade para efetivamente ocupar as áreas mais críticas, com prazo definido de saída e autoridade para efetuar prisões e enfrentar as organizações criminosas. Mesmo tendo prazo de permanência, elas podem voltar quantas vezes forem necessárias.





Batalhões de Engenharia prestando apoio social: A ideia é que as Forças Armadas ofereçam às áreas mais pobres do Rio o que levaram até o Haiti, quebrando o ciclo de exploração política nessas regiões.

Programa Segurança Presente em toda a região metropolitana do Rio: Coordenação de oficiais da PM, com uso também de soldados, cabos e sargentos das Forças Armadas, e financiamento com recursos da Fecomercio, Firjan e entidades semelhantes.

Transformação da Guarda Municipal: Será treinada para o uso de armas pelas Forças Armadas. Aproximará a população do policiamento.





Varas adicionais e vagas de internação para menores: O Judiciário determinará a criação de dez novas varas para julgar crimes de menores. Já o governo estadual deve determinar a criação de 3 mil vagas para internação.

Conselho de Orientação Social: Representantes da sociedade civil devem acompanhar todas as ações, inclusive em interlocução com entidades estrangeiras e de direitos humanos.

Mobilização especial da polícia: Registro online de ocorrências, criação de Delegacias Móveis a serem instaladas em locais de movimento ou incidência de crimes, determinação de que qualquer policial pode pedir identificação de um cidadão na rua.

Campanha de comunicação: A meta é criar uma campanha de engajamento da população, evocando o espírito patriótico e aumentando a percepção positiva da operação. Isso envolveria a distribuição de adesivos de apoio às tropas, panfletos para distribuição em parceria com varejistas, confecção de cartazes com dicas de segurança, outdoors e lambe-lambes, cobertura especial do Mamãe Falei e do MBL, visitas de empresários às áreas pacificadas e visita do presidente às áreas pacificadas para prestigiar as tropas e inspirar patriotismo.





Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama