fbpx
PUBLICIDADE


Beija-Flor cita peso dos impostos e assalto à Petrobras em desfile

Última escola de samba a desfilar na Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro, escola levou à avenida um enredo sobre corrupção, desigualdade, violência e intolerância com samba vibrante que contagiou o público

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/TV Globo

Última escola a desfilar no sambódromo da Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro, a Beija Flor de Nilópolis também abordou temas políticos. Diferentemente da Paraíso do Tuiuti, que associou o liberalismo, a reforma trabalhista e as manifestações a favor do impeachment com a escravidão, a escola de Neguinho da Beija-Flor ao menos citou temas como o assalto à Petrobrás e o peso dos impostos.


PUBLICIDADE



A escola de Nilópolis tratou na avenida temas como corrupção, desigualdade, violência e intolerância. Com samba vibrante que contagiou o público, houve também menção à violência urbana com a simulação de um arrastão.

Em uma das alas, a Beija-Flor simbolizou nas fantasias dos integrantes o peso de impostos e contribuições como o ISS, INSS, IOF e PIS sufocando os brasileiro. Houve também um carro alegórico que representava o prédio sede da Petrobrás, no Rio de Janeiro, puxado por um imenso rato. Atrás do carro, integrantes representando empreiteiros corruptos que foram coniventes com o esquema do Petrolão.

+ ‘Um milhão de reais saído do nosso bolso para tirar sarro da nossa cara’, diz coordenador do MBL no Rio sobre Tuiuti

+ Enredo de carnaval debocha de liberais e manifestantes pró-impeachment

+ Após reduzir verba para o carnaval, escola de samba critica prefeito no desfile: opine

Já que você está aqui...

... Nós temos um pequeno favor para lhe pedir. O Boletim da Liberdade é um projeto jornalístico independente, de viés liberal, mantido por jornalistas sérios e responsáveis.

Por isso, o conteúdo do Boletim não é influenciado por donos bilionários, políticos, partidos ou qualquer outro grupo de pressão. Somos abertos a críticas, mas também não nos movemos pela militância organizada e minorias barulhentas. Isso é importante porque damos voz na imprensa para quem se importa com a construção de um país admirável e marcado pelas liberdades individuais e econômicas.

Muitas pessoas estão lendo o Boletim da Liberdade gratuitamente graças aos nossos assinantes. No entanto, nós entendemos que nossa missão não é colocar um paywall que bloqueie os leitores que não pagam. Por isso, precisamos da sua ajuda para seguir operando.

Para possamos seguir adiante, precisamos aumentar nossa base de assinantes (o custo é a partir de R$ 29,30 por trimestre) e mantenedores, que podem colaborar a partir de R$ 2,00. Para ajudar, leva apenas poucos minutos. Obrigado.
★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.