“Sem o Fórum da Liberdade, muitos outros movimentos existentes no país não existiriam”, diz Júlio Lamb, do IEE

Júlio Lamb, diretor de Relações Institucionais do Instituto de Estudos Empresariais, organizador do Fórum da Liberdade, fala sobre o evento que ocorre anualmente no RS

- Publicado no dia
Julio Lamb
Foto: Reprodução / Facebook

O engenheiro Júlio Lamb, diretor de Relações Institucionais do Instituto de Estudos Empresariais, concedeu uma entrevista exclusiva a este Boletim, onde fala, dentre outros assuntos, sobre a história do IEE e a organização do 30º Fórum da Liberdade, que ocorre em abril em Porto Alegre. O evento, considerado o maior encontro liberal da América Latina, terá como tema “O Futuro da Democracia” e, dentre os nomes já confirmados, estão os do presidente da Foundation for Economic Education, Lawrence Reed; o vice-presidente da Atlas Foundation, Tom Palmer; além dos parlamentares Felipe Camozzato (NOVO) e Fernando Holiday (DEM), vereadores respectivamente de Porto Alegre e São Paulo.

Boletim da Liberdade: O Instituto de Estudos Empresariais foi fundado em 1984 para difundir o espírito empreendedor e formar lideranças. De que maneira o instituto se posiciona, ao menos oficialmente, em relação ao pensamento liberal?

Julio Lamb: O Instituto de Estudos Empresariais tem como missão formar lideranças empresariais que se comprometam com um modelo de organização social e política para o Brasil baseado no ideal democrático de liberdades individuais, subordinadas ao Estado de Direito. É interessante notar que já na missão do instituto as “liberdades individuais” estão presente como citação, de forma que o estudo e compreensão do pensamento liberal, em seu aspecto filosófico, político e econômico se faz premente na formação do associado que passa pelo instituto, isto como forma de garantir que os associados tenham uma bagagem intelectual que os permita serem agentes de mudanças em seus negócios e na sociedade.

Boletim da Liberdade: Como é o relacionamento que o IEE desenvolve com as empresas, e como exerce impacto direto na emergência de lideranças no mercado? Ainda falando de relacionamento, como tem sido o diálogo com outros think tanks de caráter mais liberal do Brasil?

Julio Lamb: O IEE tem como objetivo a formação de lideranças empresarias que causem impacto em suas empresas e na sociedade. Dito isto, o IEE acredita no poder do indivíduo, de forma que os associados que ali passam se relacionam com empresas e entidades para serem agentes de mudanças, de forma que este é o impacto que esperamos. O Instituto, de maneira direta, não mantém relação continuada com outras empresas, que não o relacionamento de patrocínios que permitem a perenidade do Instituto.

O estudo e compreensão do pensamento liberal, em seu aspecto filosófico, político e econômico se faz premente na formação do associado que passa pelo instituto

Em relação ao relacionamento com think tanks, é possível afirmar que o Instituto mantém excelente relação com diversos no Brasil, sendo inclusive um agente de fomento de novos think tanks, dado que muitos surgem de associados ou de contatos promovidos pelo Instituto e sua rede. O Fórum da Liberdade, o maior evento de debate de ideias do Brasil, também é ambiente propício para o relacionamento institucional entre think tanks e o fomento de novos institutos. Nos eventos internos do Instituto também temos valorizado a participação de entidades parceiras, que possam compartilhar e também aprender com nossas práticas.

O presidente do PSDB e ex-candidato à presidência da república Aécio Neves já esteve entre os presentes no Fórum da Liberdade (Foto: Divulgação / PSDB)
O presidente do PSDB e ex-candidato à presidência da república Aécio Neves já esteve entre os presentes no Fórum da Liberdade (Foto: Divulgação / PSDB)

Boletim da Liberdade: Em 2013, o IEE foi classificado no ranking do “Go to Think Tanks” como uma das 150 organizações de mais influência nas transformações políticas, sociais e econômicas do mundo. Como o IEE chegou a esse reconhecimento?

Julio Lamb: Tal reconhecimento foi possível através de um trabalho de 27 anos de realização de Fórum da Liberdade, naquele ano. Hoje o evento está indo para sua trigésima edição. O Fórum da Liberdade se consolidou de fato como o maior evento de debate de ideias da América Latina, dado um trabalho consistente de palestras realizadas, com a presença constante de nomes relevantes no cenário nacional e internacional que pudessem impactar e transformar o pensamento vigente.

O Fórum da Liberdade se consolidou de fato como o maior evento de debate de ideias da América Latina

Aliado a isto, o Fórum conseguiu consolidar um público constante e qualificado de aproximadamente 5.000 pessoas que participam do evento, além de um público online, em que este ano esperamos atingir 60.000 visualizações. Importante ressaltar também que o Fórum sempre esteve na vanguarda da proposição de temas oportunos e relevantes para a mudança que o país e a sociedade precisava em cada momento que estava, de forma que sempre conseguiu ser um evento de influência para todos que participavam.

Boletim da Liberdade: A mais conhecida realização do IEE é certamente o Fórum da Liberdade. Como surgiu o megaevento e qual é o trabalho demandado pelo IEE para levá-lo a acontecer todos os anos desde 1988? O que vocês terceirizam e o que realizam internamente?

Julio Lamb: O Fórum surgiu em 1987, através da visão de alguns associados, hoje associados honorários do Instituto, que identificaram que aquela seria uma forma de externalizar o debate que tínhamos internamente no Instituto quanto aos princípios que deveríamos seguir para que tivéssemos uma sociedade mais próspera para todos. Também, como o objetivo do IEE é a formação de lideranças, se identificou que este evento seria uma prova da capacidade de realização dos associados, fomentando também a formação dos mesmos.

O evento é hoje organizado pelos associados do Instituto, com especial dedicação do presidente, vice-presidente e 5 diretores do IEE, que separam as atividades de planejamento e organização do evento entre si. A parte de pensamento estratégico do evento é feita inteiramente de forma interna e a parte operacional do evento, como comunicação visual, divulgação, ambientação e outras são terceirizadas para empresas especializadas em gestão de eventos.

Leia Também:

Fabio Ostermann está confirmado como palestrante no 30º Fórum da Liberdade
Spotniks receberá ‘Prêmio Liberdade de Imprensa’ no Fórum da Liberdade

Boletim da Liberdade: Ainda sobre o Fórum da Liberdade, há alguma definição sobre o tema e convidados do próximo evento, que ocorrerá em abril?

Julio Lamb: O tema do 30º Fórum da Liberdade será “O Futuro da Democracia”. A escolha desse tema se deu por nós entendermos que o futuro da democracia depende justamente da compreensão da sociedade acerca da limitação da sua utilidade como modelo de tomada de decisões coletivas. Tivemos vários exemplos, no último ano, de votações democráticas cujos resultados levantaram o questionamento se a democracia está cumprindo seu papel. Precisamos lembrar que o regime democrático é feito por pessoas e por isso é frágil, vulnerável, corruptível, crescentemente regulador e limitador das liberdades individuais. Essas imperfeições não devem desencorajar as tentativas de corrigi-lo e aperfeiçoá-lo.

A parte de pensamento estratégico do evento é feita inteiramente de forma interna e a parte operacional do evento, como comunicação visual, divulgação, ambientação e outras são terceirizadas para empresas especializadas em gestão de eventos

Para debater o tema, procuramos construir painéis que possam dar diferentes abordagens sobre o tema. A programação completa será divulgada em breve, mas podemos antecipar alguns palestrantes confirmados como: Luiz Felipe Pondé – Filósofo e escritor brasileiro; Diogo Costa – Advogado, cientista político e editor do site ordemlivre.org; Fábio Ostermann – advogado, associado do IEE e candidato à prefeitura de Porto Alegre nas últimas eleições; Tom Palmer – Vice-presidente de Programas Internacionais da Atlas Economic Research Foundation; Fernando Holiday – Coordenador Nacional do MBL – Movimento Brasil Livre e vereador eleito na cidade de São Paulo; Lawrence Reed – Economista, mestre em história e Presidente do Foundation for Economic Education; Felipe Camozzato – Vereador de Porto Alegre pelo Partido NOVO;

O evento acontece dias 10 e 11 de abril na PUCRS, e as inscrições já estão abertas através do nosso site www.forumdaliberdade.com.br.

O jornalista da TV Globo William Waack já foi agraciado pelo Prêmio Liberdade de Imprensa no Fórum da Liberdade. (Foto: Agência Pública)
O jornalista da TV Globo William Waack já foi agraciado pelo Prêmio Liberdade de Imprensa no Fórum da Liberdade. (Foto: Agência Pública)

Boletim da Liberdade: Ao longo dos últimos anos, surgiram muitas organizações no Brasil dispostas a executar eventos locais para difusão das ideias da liberdade. Poucos encontros, porém, chegam a um nível comparável ao Fórum da Liberdade de Porto Alegre. Há, quase que sempre, dúvidas a respeito da demanda por encontros dessas dimensões, bem como sobre a própria viabilidade financeira desses eventos. Qual foi o caminho que o IEE encontrou para vencer esses desafios? O IEE já realizou ou cogita realizar, ainda que apoiando ou em parceria, eventos também em outros estados do Brasil?

Julio Lamb: Acreditamos no propósito do Fórum da Liberdade e entendemos que a dimensão está adequada aos propósitos que o mesmo se propõe. O Fórum, com a relevância que tem, é um agente de impacto na sociedade e também, ainda mais importante, um fomento para que outras entidades surjam e sejam força replicadora do movimento liberal no Brasil. Sem o Fórum, muito provavelmente, diversos outros movimentos e think tanks existentes hoje no país não existiriam, pois os mesmos tomaram como modelo o Fórum e o IEE, onde tiveram, muitas vezes, o primeiro contato com o pensamento liberal.

Sem o Fórum, muito provavelmente, diversos outros movimentos e think tanks existentes hoje no país não existiriam, pois os mesmos tomaram como modelo o Fórum e o IEE

Em relação as parcerias, hoje trabalhamos em parceria com outras instituições, sendo uma delas, de excelente atuação, o IFL (Instituto de Formação de Líderes), que realiza anualmente seu evento, semelhante ao Fórum da Liberdade.

Boletim da Liberdade: O Boletim da Liberdade agradece a entrevista e, por fim, pergunta quais tipos de projetos ou metas o IEE se enxerga implementando e alcançando em curto, médio e longo prazo?

Julio Lamb: Uma das razões de sucesso do IEE e do Fórum da Liberdade é o seu alinhamento de propósito e missão, que refletem exatamente nossos objetivos. Sendo assim, os objetivos e metas que o IEE atingirá, sempre, em qualquer momento, será a formação consistente de seus associados, de forma que estes sejam agentes de impacto na sociedade, acreditando então fielmente na força do indivíduo como agente de mudanças.

Em relação ao Fórum da Liberdade, importante colocar que, a partir deste ano, utilizaremos com maior empenho a divulgação online do fórum, na expectativa de atingir um público cada vez maior, gerando um impacto de maior relevância na sociedade.

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail


Leia também