fbpx

A iniciativa privada como força propulsora na reconstrução no RS 

Compartilhe

Por Lucas Bernardi*

Reconstrução. Essa é uma das palavras mais proferidas pelo nosso povo gaúcho após toda a destruição causada pelas enchentes. Estamos reconstruindo os acessos às cidades, nossa infraestrutura, nossas empresas, negócios, comércios, e renovando nossa resiliência e esperança por dias melhores. 

Em todo esse cenário caótico, confirmamos o que há muito já é sabido, mas ainda é negado por alguns, que a diferença de fato é causada pela iniciativa privada e pelo capitalismo. A grande maioria das lanchas, motos aquáticas, carretas para o transporte de alimentos, doações e recursos que foram postos à disposição da população afetada, as quais tiveram papel inestimável no salvamento direto e indireto de vidas, tiveram origem em pessoas e empresas que possuem capital e recursos e os disponibilizaram para ajudar o próximo.

Leia também:  O silêncio dos inocentes

A velocidade de resposta, a capacidade de articulação, a organização e a gestão de recursos  (necessária no dia a dia de qualquer empresa para entregar um produto/serviço competitivo) são infinitamente maiores na iniciativa privada, pois esta tem como objetivo final um resultado bem definido, e também fácil manobrabilidade, devido a sua forma desburocratizada, ao passo que a máquina estatal, mesmo quando bem dirigida e com boa vontade dos governantes, esbarra em uma estrutura extremamente ociosa, pesada e calamitosa, muitas vezes obsoleta, que contém inúmeras burocracias, entraves, e que por vezes se desvia para fins políticos e obscuros, ajudando muito menos do que deveria e custando muito mais do que poderia. 

Gostaríamos de esquecer o que aconteceu em nosso estado, seguir com nossas vidas, reconstruir nossas estruturas e esperar por dias melhores, mas nunca devemos esquecer o que se provou na tragédia: o capital e a iniciativa privada salvaram (e muito) nossa gente. O capital, o empresariado e a iniciativa privada organizada fizeram a diferença e farão ainda mais na reconstrução de nosso estado, com velocidade de execução, competência, realizando entregas com um custo competitivo e com uma qualidade muito superior ao que a máquina estatal possa nos fornecer. A água baixou, e sempre lembraremos do que o capitalismo fez e ainda fará pelo nosso estado e por nossas vidas. 

Leia também:  O silêncio dos inocentes

*Lucas Bernardi é associado do IEE

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?