fbpx
PUBLICIDADE

Meirelles define a qual cargo concorrerá em 2022

Ex-presidente do Banco Central e atual secretário de Finanças e Planejamento de São Paulo decidiu disputar uma cadeira em Brasília em 2022
Henrique Meirelles (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
PUBLICIDADE

Ex-ministro da Economia, ex-candidato à presidência da República em 2018 e atualmente secretário de Fazenda do governo de São Paulo, Henrique Meirelles confirmou em suas redes sociais que deve concorrer às eleições de 2022. [1]

PUBLICIDADE

“Serei candidato ao Senado por Goiás em qualquer circunstância”, prometeu o economista, que também foi presidente do Banco Central durante o governo Lula.

Em sua fala, originariamente em um programa de rádio e depois repercutida nas redes, Meirelles, que é natural de Anápolis, buscou reforçar seu vínculo com o estado – um dos temores é que o político, conhecido pela atuação nacional e, recentemente, em São Paulo, não obtenha aprovação local para lhe levar à eleição.

PUBLICIDADE

Leia também:  Congresso autoriza a criação das federações partidárias: entenda

“Quando aceitei assumir a presidência do Banco Central, em 2002, eu pude fazer muito mais por Goiás do que teria feito, se permanecesse como deputado federal. Foram 350 mil empregos criados no estado. Foram investimentos, crescimento econômico para Goiás no período”, disse.

Meirelles destacou ainda que “o que interessa quando se olha o trabalho de uma pessoa em uma função pública não é o cargo”.

“É ver qual o benefício que ele leva para a população, onde quer que esteja”, pontuou.

Trajetória

Ex-presidente mundial do BankBoston, Henrique Meirelles já concorreu por Goiás no ano de 2002.

PUBLICIDADE

Na ocasião, ele foi o candidato a deputado federal mais votado do estado, com quase 190 mil votos.

Leia também:  Congresso autoriza a criação das federações partidárias: entenda

Contudo, após ter sido convidado a assumir o cargo de presidente do Banco Central, decidiu renunciar à vaga no Parlamento antes mesmo da posse – episódio que, até hoje, é visto com desconfiança pelo eleitorado.

Na ocasião, o que estimulou a renúncia foi se desvincular ao PSDB, partido pelo qual foi eleito para a Câmara e que era o maior antagonista público do governo PT

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?