fbpx
PUBLICIDADE

Com base em parecer jurídico, Pacheco recusa impeachment de Moraes

Presidente do Senado Federal diz ter se embasado no parecer técnico do Senado, que destacou que não cabe à Casa avaliar o mérito das decisões judiciais
Foto: Marcos Brandão/Senado Federal
PUBLICIDADE

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, determinou na noite desta quarta-feira (25) o arquivamento do pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. [1]

PUBLICIDADE

O pedido havia sido apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro em gesto de reação às cobranças que eram a ele direcionadas para uma resposta à escalada de tensão entre a corte, o Poder Executivo e seus aliados.

Na decisão, Pacheco diz se respaldar no parecer jurídico feito pelo próprio Senado, argumentando “não estar presente a justa causa para o processamento” da denúncia.

PUBLICIDADE

De acordo com a Constituição Federal, o Senado tem a prerrogativa para processar e até cassar ministros do Supremo em caso de crime de responsabilidade.

Leia também:  Bolsonaro afirma ter três possíveis destinos após as eleições de 2022

O parecer

No parecer, ao qual o Boletim da Liberdade teve acesso – e que vai anexado ao fim desta matéria -, os advogados do Senado salientam que não é “constitucionalmente permitido que seja analisado o mérito de decisões” do STF em decorrência da “independência das funções estatais”.

“As críticas à decisão judicial podem ser consideradas legítimas, e até desejáveis, do ponto de vista da liberdade de expressão e do exercício da cidadania e da democracia. No entanto, de plano, constata-se não se revelarem aptas a deflagrar o processo de impeachment da autoridade judicial”, disse o texto, que destaca ainda riscos do impeachment ter “consequências políticas” por “se tratar de insurgência contra ato jurisdicional” e que “acarretaria desbalanceamento dos mecanismos de  freios e contrapesos”.

Leia também:  PGR concorda com pedido do NOVO sobre MP do Marco Civil

“Não se pode pretender punir alguém por exercer as funções do cargo que ocupa, por mais que seja legítimo discordar de tal atuação e adotar os meios de impugnação disponíveis no âmbito processual”, destacou o parecer, que ressaltou ainda que as decisões judiciais do Inquérito 4.781 “conta com decisões fundamentadas”.

PUBLICIDADE

Parecer Impeachment Alexandre de Moraes
Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama