fbpx
PUBLICIDADE

Incêndio em estátua em São Paulo provoca reação de liberais

Lideranças políticas e influenciadores liberais se manifestaram majoritariamente em condenação a tentativa de destruir monumento tradicional da cidade
PUBLICIDADE

Uma estátua em homenagem ao bandeirante Manuel de Borba Gato, na zona sul de São Paulo, foi incendiada por manifestantes neste sábado (24). O ato provocou reações de influenciadores, entre eles personalidades do ecossistema pró-liberdade, que, em geral, condenaram a atitude. [1]

PUBLICIDADE

A estátua foi danificada por indivíduos que desceram de um carro e, segundo a Polícia Militar, atearam fogo em pneus na base do monumento. O fogo foi controlado rapidamente por uma equipe do Corpo de Bombeiros, não havendo registros de feridos ou presos até o fechamento desta matéria.

O vereador Fernando Holiday (NOVO/SP) argumentou que “é assim que a esquerda quer fazer política” e que “esse tipo de intolerância não cabe na democracia”. O jornalista Leandro Narloch, na mesma linha, ironizou: “Que absurdo o Borba Gato, uma pessoa do século 17, não ter se comportado conforme os valores do século 21!”  [2] [3]

PUBLICIDADE

O cineasta Josias Teófilo questionou: “quanto tempo até começarem a queimar igrejas, que igualmente representam, segundo eles, o opressor branco? E quanto tempo para termos que ir armados à missa?” O escritor e professor Francisco Razzo afirmou que há defensores do ato que acham “o mausoléu do Lenin um templo do humanismo”. [4] [5]

Ironias históricas também marcaram presença na análise do coordenador do Movimento Brasil Livre, Renan Santos: “Essa esquerda canalha que taca fogo em estátua do Borba Gato é a primeira a ir pra Roma tirar foto no coliseu. Escravismo chique fica bonito no Instagram”. [6]

O também vereador Rubinho Nunes (PSL/SP) enfatizou que “não existe justificativa para incendiar bens públicos” e que os atores da ação conquistaram apenas uma “narrativa” para “a corja bolsonarista, afugentar pessoas decentes”, necessidade de “gastos para a prefeitura” e a “propagação do nome ‘Borba Gato'”. [7] [8]

O deputado estadual Arthur do Val (PSL/SP), dono do canal Mamãe Falei, qualificou o gesto como “tentativa canalha de reescrever a história com violência”. Ele tratou de ressaltar que “não se trata de defender Borba Gato, mas de proteger a história de São Paulo” e que usará “todos os recursos” para isso. [9]

PUBLICIDADE

Em sentido contrário, houve influenciadores que saudaram o incêndio. O youtuber Felipe Neto bradou: “Fogo nos genocidas!”. A jornalista e redatora Monica Seixas, filiada ao Partido Socialismo e Liberdade, assim como outros ativistas, proclamou que Borba Gato era um “genocida” e que o ato foi realizado pelo “grupo Revolução Periférica”. [10] [11]

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama