fbpx
PUBLICIDADE

Amoêdo comenta sobre possível candidatura presidencial de Zema

Em entrevista a um programa de rádio, fundador e ex-presidente do NOVO também comparou o cenário que enxerga para 2022 como um campeonato de futebol
Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Fundador do Partido Novo, João Amoêdo comentou, no início da tarde desta quarta-feira (19), a possibilidade de o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (NOVO/MG), ser candidato à presidência da República. As declarações foram dadas ao programa “Pânico na Rádio”.

Além de frisar que seria preciso que o próprio político faça uma análise e tome uma decisão (em entrevista ao Boletim da Liberdade, Zema afirmou pretender a reeleição), Amoêdo fez ponderações sobre o governador – o primeiro eleito pelo NOVO – não ser de oposição ao Bolsonaro.

“Acho mais provável a gente ter o Lula no segundo turno e menos provável ter o Bolsonaro. Então nós precisamos ter um candidato que enfrente o Bolsonaro [no primeiro turno] e se coloque como oposição ao Bolsonaro. Eu não vejo o Zema se colocando como oposição ao Bolsonaro. Isso é claro, nas entrevistas, nas declarações. Isso é um direito dele. Não tem aqui nenhuma crítica em relação a isso, estou só comentando um fato”, pontuou.





Questionado, no programa, se o mais importante era fazer oposição a Jair Bolsonaro (sem partido) ou a Lula (PT) no cenário eleitoral, Amoêdo comparou a sua visão sobre as eleições de 2022 a um campeonato de futebol.

“[A disputa da eleição] é como um campeonato de futebol. Tem a semifinal e a final. Você só chega na final se passar pela semifinal. A nossa semifinal muito provavelmente, na minha avaliação, é contra o Bolsonaro. Depois, nós teremos a final com o Lula. Então o nosso foco inicial tem que ser na semifinal, que é contra o Bolsonaro”, disse.

Na entrevista, Amoêdo também comentou sobre o próprio interesse em ser candidato. Disse que “não é um sonho de consumo” pessoal, mas que “está disposto” a isso se for compreendido que é a melhor estratégia.

“Em 2018, eu tinha um objetivo claro: divulgar o NOVO e tornar o NOVO mais conhecido. Em 2022, coloquei como objetivo como cidadão trabalhar para que a gente tenha outra opção para o segundo turno que não seja só o Lula e o Bolsonaro. O meu trabalho é esse. Se isso significar sair candidato, estou disposto a isso. Se isso significar não ser candidato e apoiar outra pessoa, se isso for melhor, ok. Eu não tenho prioridade em ser candidato, em ser eleito”, pontuou, revelando ainda ter linhas de conversa com os ex-ministros Sérgio Moro (sem partido), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Santos Cruz (sem partido) com vias a montagem de “um plano para o Brasil a partir de 2023”. [1]





Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama