fbpx
PUBLICIDADE

OAB representa contra Bolsonaro na Procuradoria-Geral da República

Ordem dos Advogados do Brasil mencionou trocas de comando no Ministério, indicação da hidroxicloroquina e a compra do medicamento, mesmo sem comprovação, e ainda declarações do presidente contra o lockdown
Felipe Santa Cruz (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
PUBLICIDADE

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) representou na Procuradoria-Geral da República nesta terça-feira (23) contra o presidente Jair Bolsonaro. A íntegra da peça foi divulgada nesta quarta-feira (24).

PUBLICIDADE

Em documento com 29 páginas, o grupo pediu que a PGR apresente denúncia criminal no Supremo Tribunal Federal contra o presidente por crimes como colocar em “perigo para a vida ou a saúde de outrem”; “infração de medida sanitária preventiva”; “emprego irregular de verbas ou rendas públicas” e “prevaricação”.

Na peça, a OAB mencionou, entre outros pontos, a troca de ministros da saúde durante a pandemia, a orientação para o chamado “tratamento precoce” com hidroxicloroquina e o custeio para aquisição do medicamento em larga escala.

PUBLICIDADE

“Ao submeter a população brasileira a graves riscos decorrentes do incentivo e uso irresponsável de fármaco sabidamente ineficaz para o tratamento da COVID-19 e apto a gerar inúmeros efeitos colaterais gravíssimos, o presidente da república […]  deve ser responsabilizado pela manipulação dolosa de informações e por expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente, fazendo com que incorra na previsão do art. 132 do Código Penal (“Perigo para a vida ou saúde de outrem”)”, sustentou a peça.

A OAB também observou no documento enviado à PGR que o Brasil, apesar de ter a “maior economia da América Latina e seja o maior afetado em número de contaminados e mortos”, começou sua vacinação após Argentina, Chile, Costa Rico e México.

“[Isso] demonstra nítido descaso e falta de empenho do governo federal”, avaliou a ordem, observando que o presidente teria agido “de modo a retardar esforços de governadores para a compra e distribuição da vacina”.

Na representação, a Ordem dos Advogados do Brasil pontuou ainda declarações do presidente contra medidas restritivas de circulação.

PUBLICIDADE

“Ao agir assim, o Representado incidiu no tipo penal previsto no art. 268 do Código Penal, consubstanciado em ‘Infração de medida sanitária preventiva’ e que se verifica no ato de ‘Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa’. Os efeitos dessas condutas do Representado agravam sobremaneira os danos sociais da sua ação criminosa, pois contrariam orientações da OMS e do próprio Ministério da Saúde. Distanciamento social salva vidas”, diz o texto.

Doc. 1. Representação Bolsonaro (PGR)s. AJU (1)
Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?