fbpx
PUBLICIDADE

Bolsonaro entrega MP da privatização da Eletrobras: ‘Queremos enxugar o Estado’

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP/AL), recebeu o documento e prometeu celeridade à votação e avaliou que trata-se do "primeiro passo do que podemos chamar de uma agenda Brasil com investimentos".
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Após os ataques que sofreu com a troca do comando da Petrobras, o presidente Jair Bolsonaro foi nesta terça-feira (23) ao Congresso Nacional entregar em mãos a Medida Provisória que autoriza a privatização da Eletrobras. [1]

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP/AL), recebeu o documento e prometeu celeridade à votação. Na avaliação do parlamentar, a medida “é o primeiro passo do que podemos chamar de uma agenda Brasil com investimentos”.

Bolsonaro, por sua vez, afirmou que as privatizações seguem na pauta do governo. “Queremos enxugar o Estado, diminuir o Estado para que nossa economia possa dar a resposta que a sociedade precisa”, disse.





O processo de privatização da Eletrobras começou a ganhar forma ainda no governo Temer, mas avançou no primeiro ano do governo Bolsonaro, que chegou a enviar um projeto de lei para a venda da companhia.

Entre outros pontos, a proposta estabelece que o processo de desestatização será executado por meio de uma operação de aumento do capital social da empresa, com a venda de novas ações ordinárias, que são as ações que dão direito a voto, em bolsa de valores.

Com isso, a participação da União no capital social da estatal será diluída e o Estado deixará de ser o acionista majoritário. A União possui atualmente 51% das ações ordinárias da empresa. O texto do governo determina que, ao final do processo, nenhum acionista privado poderá ter mais de 10% do capital votante da Eletrobras. O projeto permite ainda que a empresa realize uma segunda oferta de ações de propriedade da União.

A privatização não atingirá a Eletronuclear, que controla as usinas de Angra 1, 2 e 3, e a Itaipu Binacional que, por questões constitucionais, devem ficar sob controle da União, sob a gestão de uma nova empresa pública que será criada após a privatização da Eletrobras.






Com informações da Agência Brasil e da Câmara dos Deputados





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama