fbpx
PUBLICIDADE

Em crítica a Bolsonaro, NOVO já fala em ‘construir alternativa para 2022’

Comentário de Eduardo Ribeiro, presidente nacional do NOVO, transparece tom crítico ao presidente Bolsonaro e deixa claro que partido pretende, outra vez, lançar candidatura própria ao Planalto em 2022
Christian Lohbauer e João Amoêdo foram candidatos a vice e a presidente da República pelo NOVO nas eleições de 2018 (Foto: Divulgação)
Christian Lohbauer e João Amoêdo foram candidatos a vice e a presidente da República pelo NOVO nas eleições de 2018 (Foto: Divulgação)
PUBLICIDADE

Cada vez mais incomodado com a associação entre parte dos filiados e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, o NOVO parece começar a caminhar rumo a uma postura mais enfática de oposição ao presidente. Nesta quarta-feira (2), um comentário de Eduardo Ribeiro, presidente nacional da sigla, deixou claro esse movimento. [1]

PUBLICIDADE

“O que o Brasil precisa é de um líder que tenha espírito público, de convicções reformistas, que seja fiador de mudanças estruturais profundas no Estado brasileiro e coloque os interesses das próximas gerações acima dos seus e de sua família. Essa pessoa nunca foi Jair Bolsonaro”, escreveu Ribeiro no Twitter. A publicação foi compartilhada nos grupos de mobilização do partido espalhados pelo país.

Na sequência, o dirigente nacional do NOVO afirmou ainda que “ao longo dos próximos meses” o partido irá “trabalhar incansavelmente para construir uma alternativa para o nosso país em 2022, assim como fizemos em 2018″, deixando claro que a estratégia do partido passará, outra vez, pela candidatura própria.

PUBLICIDADE

Crítica

Um dos mais respeitados nomes do meio liberal, Roberto Rachewsky, considerou em suas redes sociais que o discurso adotado por Ribeiro é “vazio”.

“Convicções reformistas, mudanças estruturais profundas. O que isso significa? Colocar o interesse de quem ainda não nasceu sobre os seus? Isso é altruísmo extremo”, ponderou o empresário, que é um dos fundadores do Instituto de Estudos Empresariais, entidade que organiza anualmente o Fórum da Liberdade.

Na avaliação de Rachewsky, “não é esse tipo de salvador da pátria que precisamos, se é que precisamos de um”.

“A tentativa de se descolar do bolsonarismo deve vir com a reafirmação de princípios, valores e ideais concretos e não essas abstrações flutuantes sem sentido”, criticou. [2]

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama