fbpx
PUBLICIDADE


Após suspensão, Sabará se diz ‘perseguido por ala esquerdista’ do NOVO: leia

Candidato, que já foi confirmado em convenção para disputar a Prefeitura de São Paulo pelo NOVO, afirmou ser perseguido por Amoêdo e aliados e também apontou que um dos motivos seria, de fato, ser de direita

- Publicado no dia
Foto: Reprodução

O Diretório Nacional do Partido Novo surpreendeu filiados de São Paulo na noite desta quarta-feira (23) anunciando que estava suspendendo os “direitos de filiado” de Filipe Sabará, candidato já confirmado à Prefeitura de São Paulo na capital paulista.

A ordem seria fruto de uma decisão liminar da Comissão de Ética da sigla, que teria recebido uma denúncia que “corre em sigilo” contra o candidato. O partido pediu ainda a “suspensão de todas as ações de pré-campanha e campanha do candidato até que o assunto seja efetivamente julgado”, reforçando mais um capítulo de desgaste na candidatura de Sabará entre parte dos filiados.


PUBLICIDADE



Para Sabará, ouvido com exclusividade pelo Boletim da Liberdade, o ato é fruto de perseguição. E aponta culpados: entre eles, João Amoêdo, fundador da sigla e ex-presidente do NOVO, que já o criticou publicamente por causa de uma entrevista a um programa de rádio em que o prefeitável elogiou, com ressalvas, o ex-prefeito Paulo Maluf. Após a repercussão negativa, Sabará se desculpou.

Na conversa com o Boletim, Sabará anunciou que vai “trabalhar para reverter” a decisão juridicamente para continuar com a candidatura e classifica sua perseguição por ser direita.

Sobre as acusações que tem sofrido, inclusive de um material sem autoria que circula nas redes com sugestões de que o pré-candidato “coloca seus interesses acima de tudo”, que usou “posição política para cooptar pessoas ativas no partido” e seria “blindado no diretório municipal”, Sabará promete “processar os responsáveis pela denúncia por calúnia, difamação, danos morais e perdas e danos”. Confira a entrevista com o candidato a seguir, na íntegra:

Boletim da Liberdade: Essas informações procedem? Você chegou a ser comunicado oficialmente de algo?

Filipe Sabará: Estou sendo perseguido pelo João Amoêdo e por uma ala esquerdista minoritária do Partido NOVO, por ser uma pessoa de direita.

João Amoêdo, fundador e presidente do NOVO, ao lado de Filipe Sabará em foto antiga (Foto: Reprodução/Facebook)

Boletim da Liberdade: Como você vê essas críticas? Como responderia a elas? Sabe quem está por trás?

Filipe Sabará: As críticas são infundadas. Trata-se de material apócrifo produzido inclusive sem assinatura por aliados do João Amoêdo, que são de uma ala minoritária de esquerda do NOVO.

Boletim da Liberdade: Na sua compreensão, isso vai afetar como sua candidatura à Prefeitura de São Paulo?

Filipe Sabará: Estou entrando com todos os meios jurídicos e medidas judiciais tanto para reverter a situação da liminar, quanto para processar os responsáveis pela denúncia, por calúnia, difamação, danos morais e perdas e danos. Infiltrados do MBL também estão nesse grupo de pessoas que estão tentando me derrubar.

Boletim da Liberdade: Você acredita que conseguirá levar sua candidatura à frente mesmo com uma possível oposição do Diretório Nacional e do fundador do partido?

Filipe Sabará: Vamos trabalhar para reverter e seguir com a candidatura juridicamente.


O que dizem os citados: o Boletim da Liberdade procurou o ex-presidente do NOVO, João Amoêdo, mas não obteve resposta até a publicação desta matéria. Renato Battista, coordenador do MBL e ligado à campanha de Arthur do Val, afirmou que “não existe a possibilidade” de se ter infiltrados do grupo no NOVO. “Nós estamos dedicados à campanha do Arthur: propositiva e sem intenção de brigar com um partido que tem tantas semelhanças conosco”, disse.

Em janeiro, o Boletim da Liberdade entrevistou, em vídeo, Filipe Sabará. Confira:

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.