fbpx
PUBLICIDADE


Bolsonaro confirma ter autorizado notificação a empresários, mas nega intenção em controlar preços

Presidente alegou que foi orientado a tomar decisão pelo ministro da Justiça, André Mendonça, mas que o objetivo poderia inclusive ajudar o próprio governo a compreender se ‘o errado somos nós’

- Publicado no dia
Jair Bolsonaro (Marcelo Casal Jr./Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro confirmou na noite desta quinta-feira (10) que, de fato, foi ele quem autorizou que o Ministério da Justiça notificasse supermercados para compreender as razões do aumento de preço de alguns alimentos. [1]

Na última quinta-feira, a Secretaria Nacional do Consumidor, ligada à pasta do ministro André Menonça, solicitou esclarecimentos à Associação Brasileira de Supermercados e a “representantes do setor”, incluindo 65 redes varejistas, sobre a alta de preços dos produtos que constituem a cesta básica, segundo divulgou o jornal Folha de S. Paulo. A medida, claro, gerou polêmica. [2]


PUBLICIDADE



Apesar de ter admitido a autorização, Bolsonaro pontuou que seu objetivo não foi planejar qualquer tipo de coação ou futuro tabelamento, o que vinha sendo especulado nas redes sociais a despeito do posicionamento supostamente liberal do governo.

“[Solicitei] porque, ao chegar a resposta, pode ser que o errado somos nós. Pode ser o governo, daí o governo toma providência e ponto final”, tranquilizou o presidente.

Contexto

Uma das medidas já adotadas pelo governo no sentido de enfrentar e impedir a alta de preços em plena pandemia foi reduzir a zero a taxa de importação do arroz.

Durante transmissão ao vivo em que justificou a medida, Bolsonaro pontuou que a alta de preços pode ter sido causada pelo aumento da demanda em decorrência do auxílio-emergencial e também pela alta do dólar, o que facilitaria as exportações do gênero alimentício.

De acordo com o Índice de Preços para o Consumidor (IPCA), o valor cobrado pelos alimentos aumentou 8,83% nos últimos 12 meses, enquanto que todas as categorias tiveram alta de apenas 2,44% Arroz, feijão preto e óleo de soja chegaram a subir acima dos 18%. [3]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

 

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.