fbpx
PUBLICIDADE


Governistas e oposicionistas defendem declarações de Aras sobre Lava-Jato

Deputados do PSOL e do PT e a apoiadora do governo Carla Zambelli (PSL-SP) defenderam a legitimidade das preocupações do procurador-geral da República

- Publicado no dia
Augusto Aras (Foto: Reprodução/Facebook)

Depois de terem adotado uma postura crítica ao procurador-geral da República nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro, Augusto Aras, alguns partidos de oposição mudaram de tom. Desde que o procurador, na última terça-feira (28), fez críticas à Operação Lava Jato, parlamentares oposicionistas – além de alguns governistas – defenderam seu posicionamento. [1]

O PGR declarou que a força-tarefa mantém um banco de dados particular, fora do alcance da Corregedoria do Ministério Público Federal, e exige um gasto muito elevado. Para ele, é preciso “corrigir os rumos para que o lavajatismo não perdure”. Ressaltando que os procuradores da Lava Jato não podem ser considerados acima da lei, o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) defendeu a investigação de todos os seus atos “ilegais” e “imorais”.


PUBLICIDADE



“O que tem que prevalecer é a verdade. Os procuradores da Lava Jato não são intocáveis, eles precisam ser investigados. Se a Lava Jato agiu certo e não tem medo dos seus métodos, é só abrir os dados”, disse Valente, acrescentando, entretanto, que Aras é “do Bolsonaro” e deve ter seus próprios objetivos. Paulo Pimenta (PT-RS) defendeu a instauração de uma CPI para investigar a Lava Jato.

“Não é uma especulação qualquer. É o Procurador Geral da República, é o chefe do Ministério Público Federal, dizendo que a Lava Jato criou uma milícia judicial, que dispõe de informações sobre 38 mil brasileiros”, justificou Pimenta. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP), apoiadora do governo Bolsonaro, fez coro e defendeu Aras: “O que o Aras quer saber é: dentro desses dados todos, dessas 38 mil pessoas, desses 350 terabytes que vocês têm, por que há praticamente uma PGR paralela?”.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.