fbpx
PUBLICIDADE


Equipe econômica segue estudando novo imposto sobre movimentação

De acordo com diversos veículos de imprensa, Paulo Guedes ainda considera que proposta pode ser válida para desonerar folha e estimular empregos; novo tributo, contudo, poderia não incidir universalmente

- Publicado no dia
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Voltou a circular na imprensa nesta quarta-feira (15) a possibilidade de o governo propor, mais dia ou menos dia, a instituição de um novo imposto sobre movimentação financeira.

Embora o projeto já tenha sido, em oportunidades anteriores, descartado pelo presidente Jair Bolsonaro, a ideia não encontra resistência entre o vice, Hamilton Mourão, e o ministro da economia Paulo Guedes. [1][2]


PUBLICIDADE



Na visão da equipe econômica, aponta o portal UOL, o novo imposto visaria gerar receita para extinguir à contribuição previdenciária patronal, que hoje incide em 20% da folha salarial.

A expectativa é que, desonerando a criação de empregos, o país poderia ampliar o emprego formal e acelerar o crescimento.

Devido a críticas de que um novo tributo seria similar à antiga CPMF, em vigor entre 1997 e 2007 e que cobrava 0,38% sobre todas as movimentações financeiras, o portal afirmou que “está em debate” se um novo modelo incidiria universalmente ou apenas “em compras com cartão e pelo sistema de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo Banco Central”.

De acordo com a Folha de S. Paulo, o vice-presidente Hamilton Mourão disse durante uma transmissão ao vivo que é possível que o modelo prospere no Congresso se for “um imposto baixo que tenha uma destinação específica com a troca pela desoneração da folha”.

“Se os argumentos forem colocados dessa forma, de ser um substitutivo para a questão da desoneração da folha, julgo que o Maia pode aderir”, teria afirmado Mourão em referência ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ).

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.