fbpx
PUBLICIDADE


Jornalistas de revista são detidos ao apurarem morte de miliciano

Policiais militares chegaram a apreender um gravador onde os jornalistas guardavam entrevistas feitas na região; ato foi duramente criticado por entidades da sociedade civil como ataque à liberdade de imprensa

- Publicado no dia
Foto de viatura da Bahia que deteve equipe de repórteres (Foto: Divulgação/VEJA)

Mesmo identificando-se como jornalistas, dois repórteres da revista Veja foram detidos nesta sexta-feira (14) pela Polícia Militar da Bahia enquanto investigavam a morte do ex-capitão Adriano da Nóbrega, morto em operação policial no estado e foragido por envolvimento com milícias no Rio de Janeiro. O criminoso, como se sabe, também estava envolvido na investigação que apura a morte da ex-vereadora Marielle Franco. [1]

Em seu site, a revista afirmou que a detenção se deu mesmo após uma revista pessoal e que a polícia chegou a apreender o gravador do jornalista que continha “diversas entrevistas feitas ao longo do dia”.

No jornalismo, a medida é considerada grave – inclusive porque o direito ao sigilo da fonte é resguardado pela Constituição.


PUBLICIDADE



Levados à delegacia, os jornalistas foram interrogados por agentes da Polícia Civil e, após uma sessão de perguntas, o gravador foi devolvido. Um dos agentes afirmou que a abordagem teria sido uma “medida de segurança”.

Reações

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, considerou a detenção “inadmissível, arbitrária e abusiva” e que “deve receber repúdio de todos que defendem a liberdade de imprensa e de expressão”. [2]

Nas redes sociais, a associação liberal Livres também se manifestou. Classificando o episódio como um “ataque à liberdade de imprensa no Brasil”, a entidade afirmou que “nada justifica a detenção de repórteres e a apreensão de gravadores em pleno exercício da atividade profissional”.

O Livres destacou, ainda, que “a imprensa livre é pilar fundamental da democracia liberal”.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.