fbpx
PUBLICIDADE


Veteranos do movimento liberal alertam para o risco de infiltração de ideias

Helio Beltrão e Roberto Rachewsky, nomes com contribuições marcantes para o movimento liberal brasileiro, teceram comentários sobre entrada de neoliberais e sociais-democratas defendendo ideias estatistas

- Publicado no dia
Roberto Rachewsky e Helio Beltrão (Foto: Reprodução)

Pelo menos dois nomes tradicionais e com grandes contribuições para que o movimento liberal brasileiro chegasse ao ponto que está queixaram-se nos últimos dias sobre o risco de infiltração e desvirtuação do grupo. São eles Roberto Rachewsky, um dos fundadores do Instituto de Estudos Empresariais nos anos 1980, e Helio Beltrão, presidente do Instituto Mises Brasil, principal grupo acadêmico liberal nos dias de hoje no país.

Em comentário em vídeo divulgado para a newsletter do IMB na última segunda-feira (11), Helio classificou o risco como “tentativa de infiltração no movimento liberal pujante que nós participamos” advinda de “algumas figuras que, na verdade, são ou sociais-democratas ou neoliberais”. [1]

Na sequência, Beltrão explicou as diferenças entre neoliberais e liberais, como muitas vezes a defesa da educação e saúde gratuitas, agências reguladoras, ‘órgãos de defesa da concorrência’, políticas de renda mínima e medidas contra a concorrência entre estados e municípios.

“Esse conjunto de proposições é bem diferente e não tem a ver com o laissez-faire, com o liberalismo que os liberais do movimento de hoje advogam. […] Seria então um erro básico, fundamental, que nós do movimento liberal aceitássemos a penetração dessas ideias estatistas no nosso movimento”, ponderou.

Beltrão alertou ainda que, nos Estados Unidos, o termo ‘liberal’ foi desvirtuado. “Hoje, ‘liberal’ lá significa esquerdista. A gente tem que tomar muito cuidado para não ser penetrado por esses intrusos que querem tomar a dinâmica bonita, maravilhosa, que estamos construindo no Brasil para [torná-lo] um lugar errado de estatismo”, concluiu.

Em comentário ao vídeo nas redes sociais, Rachewsky complementou que a infiltração “se deu pela porta da frente quando integrantes dos movimentos liberais passaram a ter participação político-partidária e, para se tornarem mais relevantes, associaram-se a celebridades do mundo da política, concedendo espaço e, em alguns casos, até convicções”. [2]

“Eu acompanho o movimento liberal contemporâneo desde o seu nascimento e não é de hoje que se vê tentativas de apropriação indébita de conceitos por parte de sociais-democratas e neoliberais para, ou aproveitarem a onda crescente iniciada pelos verdadeiros liberais da década de 80, ou para infiltrarem-se no movimento para destruí-lo por dentro. Eu, com a minha experiência, aposto no segundo caso”, ponderou.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.