fbpx
PUBLICIDADE


AGU determina investigação de vazamento de informações sobre caso Marielle

O presidente da República divulgou a informação em suas redes sociais no final da noite da quarta-feira (30), afirmando que há um plano para desestabilizar o país

- Publicado no dia
André Luiz de Almeida Mendonça, advogado-geral da União (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

No final da noite de quarta-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro divulgou em suas redes sociais que haverá uma reação ao vazamento de informações sobre o processo que apura o assassinato da vereadora do PSOL do Rio de Janeiro, Marielle Franco. A Advocacia-Geral da União determinou que a Procuradoria-Geral da República instaure um procedimento para apurar crime de improbidade.

O presidente disse em seu perfil no Facebook que “a TV Globo e as autoridades” estão “em um plano para incriminar o presidente e desestabilizar o Brasil”. Segundo ele, “com áudios da portaria nas mãos, os responsáveis pela investigação não poderiam citar o então deputado Jair Bolsonaro como possível mandante do crime”. O porteiro seria, na sua visão, o menos culpado, e querer responsabilizá-lo exclusivamente “não é justo”.

“Por ser uma pessoa humilde, pode ter sido induzido a assinar o depoimento”, escreveu o presidente, e complementou: “Muitas autoridades tiveram acesso a um processo que corria em segredo de justiça”. Por isso, juntamente com o texto do presidente, foi publicado documento assinado pelo advogado-geral da União André Luiz de Almeida Mendonça requerendo oficialmente a investigação ao PGR, Augusto Aras.

O texto alega que o vazamento de informações “de processo que tramita em segredo de justiça” foi usado “para relacionar a pessoa do Presidente da República aos possíveis envolvidos no crime sob investigação”, tornando necessário averiguar “a prática de ato de improbidade administrativa por agente público e eventuais partícipes”. Confira:


PUBLICIDADE



★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.