fbpx
PUBLICIDADE


China comunista amplia repressão contra manifestantes de Hong Kong

Além do primeiro manifestante atingido com munição letal, forças de repressão usam proibições de máscaras e jatos de tinta para tentar facilitar a identificação e posterior prisão dos que protestam contra regime

- Publicado no dia
Manifestante sendo reprimido em ato em Hong Kong (Foto: Anthony Wallace/AFP)

A China continental, comandada por uma ditadura comunista, segue ampliando a repressão para tentar reduzir as manifestações populares no território autônomo de Hong Kong. Desta vez, a estratégia é a aplicação de uma lei de emergência de 1967, que – dentre outros efeitos – proíbe o uso de máscaras na cidade. [1]

A utilização de máscaras é uma das estratégias que se tornou comum entre os manifestantes para evitar que fossem identificados por câmeras. A medida, porém, nem sempre é efetiva: as forças de repressão de Hong Kong já estão disparando jatos de tinta azul que, difíceis de apagar, são úteis para que a polícia descubra os críticos ao regime nos dias posteriores aos protestos e possa efetuar prisões. [2]

Os protestos em Hong Kong se acirraram após a imposição de uma lei de extradição que permite que qualquer cidadão da região, que é mais liberal, seja facilmente extraditado à China continental, sob ditadura. Com razão, a medida é considerada um atentado à soberania e às liberdades individuais presentes em Hong Kong.


PUBLICIDADE



Também motivam os protestos a pressão para redução das possibilidades de participação democrática na ilha. Cidadãos de Hong Kong, especialmente os mais jovens, têm se mobilizado contra a tendência.

Na última terça-feira (1º), até um jovem de 18 anos foi alvo de um tiro com munição real em uma das repressões às manifestações. [3]

Hong Kong

Hong Kong é uma das regiões administrativas especiais da China. Após 156 anos de soberania do Reino Unido, passou a integrar oficialmente o país comunista em 1997.

Com judiciário independente, a região possui um sistema político mais liberal que a ditadura continental. Além do sistema multipartidário, a região goza ainda de liberdade de imprensa e alta liberdade econômica, atributos que estimularam altos índices de desenvolvimento, mas que são incompatíveis com a ideologia marxista-leninista-maoísta.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.