fbpx
PUBLICIDADE


João Amoêdo critica possibilidade de volta da CPMF: ‘Por que insistir na ideia?’

Ex-candidato ao Palácio do Planalto pelo Partido Novo, Amoêdo frisou nas redes sociais sua defesa ao Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que tramita no Congresso Nacional com o nome de IBS

- Publicado no dia
João Amoêdo em entrevista ao Boletim da Liberdade em janeiro de 2018 (Foto: Reprodução/YouTube)

O presidente do Partido Novo, João Amoêdo, voltou a criticar nesta terça-feira (10) a possibilidade de recriação de um imposto sobre transações financeiras. Como noticiado nos últimos dias nos principais veículos de comunicação do país e confirmado por Paulo Guedes, o tema voltou ser alvo de estudos do Ministério da Economia e já divide os liberais quando o assunto é o modelo de reforma tributária ideal.

“A ressurreição da CPMF não é bem vista por tributaristas, por parlamentares e pela população. Por que insistir em uma ideia que não foi adotada por nenhum país desenvolvido, ao invés de unificarmos cinco impostos em um sobre valor agregado, como funciona nos países que deram certo?”, questionou Amoêdo.

A crítica de Amoêdo, como antecipado pelo Boletim da Liberdade, vai ao encontro da posição do deputado federal Alexis Fonteyne, o mais dedicado ao tema na Câmara dos Deputados.


PUBLICIDADE



Em entrevista ao site, Fonteyne disse que votará contrário a um imposto sobre transações financeiras mesmo em caso de desoneração da folha de pagamento, medida defendida por Guedes.

Nas redes sociais, Amoêdo também traçou um comparativo entre o imposto sobre movimentação financeira e o imposto sobre valor agregado, que tramita no Congresso com a sigla de IBS.

Enquanto o primeiro, para ele, seria cumulativo, centralizaria recursos na União e incentivaria a informalidade, o IBS seria não-cumulativo, ampliaria o federalismo e incentivaria a formalização.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.