fbpx
PUBLICIDADE

Ministério da Economia segue trabalhando em projeto de volta da CPMF

Segundo jornal, novo imposto sobre movimentações financeiras giraria em torno de 1% e visaria a desoneração da folha de pagamento para empresas; medida, no entanto, não é ainda bem aceita pelo presidente
Paulo Guedes na Comissão Especial (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Paulo Guedes conversa com parlamentares (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes, por meio da sua Secretaria de Receita Federal, chefiada por Marcos Cintra, segue trabalhando com a possibilidade de propor a criação de um novo imposto sobre movimentação financeira, similar à antiga CPMF. Como noticiado com exclusividade pelo Boletim da Liberdade, essa ideia já havia sido mencionada ainda durante a campanha pelo ministro Paulo Guedes.

Segundo publicado no jornal O Globo nesta terça-feira (3), uma das motivações do projeto seria compensar uma nova política de redução da tributação sobre a folha de pagamentos das empresas. Dados comprovariam que o modelo poderia trazer benefícios para a economia e estimular a criação de empregos, reduzindo o custo do trabalho.

Quanto à alíquota, a publicação afirma que o Ministério estaria trabalhando em algo em torno de 1%, incidindo 0,5% na origem e 0,5% no destino. O jornal ressaltou ainda que, no último sábado (31), o presidente Jair Bolsonaro, quando questionado por jornalistas sobre o assunto, outra vez manifestou desconforto sobre o projeto.





+ Reforma tributária deve ser motivo de discordância entre liberais

+ Deputado do NOVO compara as duas principais propostas de reforma postas à mesa





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama