fbpx
PUBLICIDADE


Deputados propõem endurecimento das ‘saidinhas’ em datas especiais

Até o caso de Alexandre Nardoni, condenado pela morte da filha, Isabela, em 2008, foi utilizado como argumento para endurecer as regras vigentes na execução penal; Nardoni, em 2019, teve a primeira ‘saidinha’

- Publicado no dia
Alexandre Nardoni: condenado pela morte da filha, terá direito a saída da prisão no dia dos pais (Foto: Folha PE)

Às vésperas do dia dos pais, pelo menos dois deputados federais protocolaram na Câmara projetos de lei para endurecer as “saidinhas” – apelido dado ao benefício da saída temporária da prisão dado a alguns presos em datas especiais.

Na proposta do deputado Vinicius Poit (NOVO/SP) apresentada na última quinta-feira (8), o benefício não seria aplicado para condenados que tenham cometido crimes “contra ascendentes, descendentes e parentes até o 3º grau”.

Na justificativa, o parlamentar defendeu que a atual legislação é “notoriamente permissiva com aqueles que violam a lei” e citou a liberação de Alexandre Nardoni, condenado pela execução da própria filha em 2008, que foi liberado da prisão pela primeira vez nesta sexta-feira (9). [1][2][3]


PUBLICIDADE



“Não há como não se indignar diante da situação de um pai que ceifa a vida da própria filha absolutamente indefesa e, passados apenas dez anos, tem assegurada uma saída temporária da prisão sob a escusa de celebração do dia dos país”, pontuou.

O deputado federal Daniel Silveira (PSL/RJ), por sua vez, protocolou um projeto que propõe aumentar os requisitos para se obter direito à saída temporária. Em sua proposta, o cumprimento mínimo para condenados primários deve ser de 1/4 da pena (atualmente, basta ter cumprido 1/6) e, caso seja reincidente, o condenado deverá ter cumprido no mínimo 1/3 (atualmente, é 1/4). [4][5][6]

“O Brasil vive um momento em que a sociedade brada por maior rigor na seara penal, em todas as fases da persecução penal: inquisitiva, processual e, no que interessa à presente iniciativa, executória”, sustentou o deputado na justificativa do projeto.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.