fbpx
PUBLICIDADE

Josias Teófilo diz que sempre foi a favor de recursos públicos para o cinema

Diretor aluno de Olavo de Carvalho explicou em entrevista a jornal que a produção que prepara não será sobre Jair Bolsonaro e sustentou que financiamento coletivo demora muito tempo
Josias Teófilo (de costas), Roxane Carvalho e Olavo de Carvalho. (Foto: Divulgação)
Josias Teófilo (de costas),
Roxane Carvalho e Olavo de Carvalho. (Foto: Divulgação)
PUBLICIDADE

O diretor conservador Josias Teófilo, que se envolveu em polêmica recente após ter a autorizada a captação de recursos pela Lei Rouanet para seu novo documentário, afirmou nesta sexta-feira (26) que “sempre foi a favor” do uso de dinheiro público no cinema. A declaração foi dada em entrevista ao jornal O Globo. [1]

PUBLICIDADE

“Se você perguntar na rua o que as pessoas acham sobre isso, vão dizer que são contra. Só que o orçamento da cultura é tão baixo que o governo nem mexe muito na área quando anuncia cortes. As pessoas não entendem como as coisas funcionam, é muita desinformação. Isso é péssimo. Aí vejo um sujeito de direita falando que recursos públicos têm que ir apenas para coisas consagradas, como orquestras, óperas, poesias. E como financiar as obras que virão? Como serão reconhecidas?”, disse.

Teófilo, que é aluno de Olavo de Carvalho e foi quem dirigiu o filme O Jardim das Aflições (2017), afirmou ser contrário à extinção da Ancine e ainda advogou que Bolsonaro estaria “mal assessorado” quando o assunto é cinema.

PUBLICIDADE

Foto: Divulgação

Questionado sobre porque não fazer novamente um financiamento coletivo para bancar seu novo filme, cujo nome é Nem tudo se desfaz e trata da “revolução conservadora” que emergiu no Brasil, Teófilo sustentou que o processo demora muito tempo.

“O novo filme é resultado de sete meses de trabalho. Agora querem cancelar tudo e fazer crowdfunding? Por quê? Apesar disso, não descarto esse recurso, porque o orçamento do documentário é de R$ 550 mil, o que ainda é pouco. Quero usar imagens de arquivo e isso custa dinheiro. O presidente lançou uma incerteza sobre meu filme. Se patrocinadores pularem fora, eu pego um avião e saio do país”, falou.

Nem tudo se desfaz promete ser uma alternativa conservadora ao filme de Petra Costa, Democracia em Vertigem, lançado no Brasil pela plataforma Netflix. Isso porque o filme deve abordar os acontecimentos recentes da história brasileira, entre os protestos de junho de 2013 e a eleição de Jair Bolsonaro, mesmo período enfocado na produção de Petra.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama