fbpx
PUBLICIDADE


Ministra de Dilma também afirmou que Brasil tinha atingido a meta de ‘superar a fome’

Documentos divulgados pela ONU vem indicando redução progressiva da fome no país desde 2003, mas em nenhum momento apontam sua extinção

- Publicado no dia
A ministra Tereza Campello e a ex-presidente Dilma Rousseff (Foto: Divulgação/PT)

A semana que passou foi de declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro – uma delas a de que não existiria fome no Brasil, proferida na última sexta-feira (19), de que ele se retratou no mesmo dia. Um detalhe interessante é que uma ministra do governo Dilma havia dito, já em 2014, que a meta de superar a fome no país havia sido atingida. [1]

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome à época, Tereza Campello, afirmou, no dia 16 de setembro daquele ano – às vésperas da eleição que levaria a presidente petista ao seu segundo mandato, encerrado antes do prazo pelo processo de impeachment: “Superar a fome era uma das principais metas do estado brasileiro e isso foi possível”.


PUBLICIDADE



Embora Tereza tenha dito que a fome havia sido “superada”, na verdade ela estava comemorando um relatório da ONU apresentado em Roma, dando conta de que, nos últimos dez anos, o Brasil havia reduzido pela metade a quantidade de pessoas vitimadas pela fome. A taxa havia caído, segundo a ONU, de 10,7% para menos de 5% desde 2003.

O relatório atual da ONU para Agricultura e Alimentação (FAO), o mesmo documento à época festejado pelo governo Dilma como representando a superação da fome, indica que o Brasil já tem menos de 2,5% da população em situação de desnutrição (a organização não fornece detalhes dos dados de países com índices abaixo de 2,5%). Antes disso, em 2018, a ONU estimava que os desnutridos no Brasil estavam em menos de 5,2 milhões entre 2015 e 2017. [2]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.