fbpx
PUBLICIDADE


Partido Novo é o único que orienta voto contrário ao destaque que concedeu mais privilégios para professores

Destaque do PDT na reforma propôs privilégios ainda maiores para a carreira de professor e foi aprovado por 465 votos a 25; parlamentares do NOVO e poucos liberais, como Kim e Paulo Eduardo Martins foram contrários

- Publicado no dia
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Após ter o texto-base da reforma da Previdência aprovado na Câmara em votação de primeiro turno na última quarta-feira (10), a Casa deu prosseguimento à deliberação dos destaques e cedeu a privilégios. O resultado gerou um esvaziamento da PEC e frustração para os liberais que esperavam chegar à economia de R$ 1 tri em dez anos desejada pelo ministro Paulo Guedes. Em uma das votações, ocorrida na última sexta-feira (12) que estabelecia redução ainda maior à idade mínima de aposentadoria dos professores, apenas o Partido Novo deu orientação contrária. [1][2][3]

Além dos professores, entre os principais destaques aprovados, estão a redução do tempo de contribuição mínima para homens se aposentarem, possibilidade de aposentadoria pelo valor máximo do INSS para mulheres a partir dos 35 anos de contribuição, ampliação do piso da pensão por morte em caso de a viúva sem renda ter dependente, além de privilégios especiais para policiais vinculados ao governo federal.


PUBLICIDADE



De acordo com o aprovado pela Câmara, policiais poderão se aposentar a partir dos 53 anos (homens) e 52 anos (mulheres). No texto base, a medida já era benéfica: 55 anos. Além da Polícia Federal, serão beneficiados policiais rodoviários e ferroviários, agentes penitenciários, socioeducativos, policiais civis do DF e policiais legislativos federais. Trabalhadores da maioria das carreiras seguirão com a idade mínima de 62 anos (mulheres) e 65 anos (homens).

A redução da idade mínima para os professores, por sua vez, foi aprovada com 465 votos a 25. Enquanto que no texto-base da reforma a categoria já era privilegiada com datas mais amenas – o total de 60 anos (homens) e 57 anos (mulheres) -, os deputados votaram para ampliar ainda mais os privilégios reduzindo a idade necessária para 55 anos (homens) e 52 anos (mulheres).

A medida foi proposta pelo PDT e apenas o Partido Novo deu orientação de voto contrária entre todas as legendas, mas acabou sendo acompanhado por poucos outros parlamentares liberais como Kim Kataguiri (DEM/SP) e Paulo Eduardo Martins (PSC/RJ). Marcelo Calero (CID/RJ), vinculado ao Livres, não se alinhou com os liberais. O segundo turno da reforma, que corroborá texto final que será enviado ao Senado, será votado apenas em agosto na Câmara.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.