fbpx
PUBLICIDADE


Policiais Federais chamam Bolsonaro de traidor e marionete em ato na Câmara

Em meio à reta final da tramitação e na semana decisiva de votação da nova Previdência na Comissão Especial na Câmara dos Deptuados, grupos de policiais pressionam para inclusão de regra que afrouxe transição

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução/YouTube)

A Comissão Especial que analisa a reforma da Previdência na Câmara deve começar a votar nesta semana o relatório do deputado federal Samuel Moreira (PSDB/SP) sobre o tema. Diante do esforço para que o projeto vá à Plenário ainda no primeiro semestre, grupos de policiais federais pressionam no último minuto o governo e a base governista para abrandamento das regras de transição para a categoria. [1][2]

Líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vigor Hugo (PSL/GO) afirma que será possível incluir nova regra em complemento de voto do relator, defendendo a medida pela “especifidades das carreiras policiais”. A medida é apoiada por parlamentares ligados à segurança pública, boa parte do PSL, mas não é abraçada ainda pela equipe econômica do ministro Paulo Guedes.


PUBLICIDADE



Sobre o impacto fiscal, Major Vitor Hugo estima que, se aprovada nova regra, seriam apenas R$ 4 bilhões a menos na economia desejada por Guedes ao longo de dez anos.

“Se houver desidratação da proposta, será a menor possível”, afirmou. Ao todo, circula a informação que se não houver abrandamento de regras para os policiais federais, é possível que o governo perca 32 votos no Plenário – uma quantidade significativa para quem precisa de 3/5 dos votos para que a PEC da reforma da Previdência seja aprovada.

Para pressionar os deputados para incluir o afrouxamento das regras de transição, nesta segunda-feira (1º) um grupo de policiais começou um acampamento no salão verde da Câmara em favor da medida. Em determinado momento, chegaram a gritar “Bolsonaro traidor”, diante da pouca flexibilidade do Poder Executivo em abraçar a proposta.

“Não estamos aqui [acampados] para ofender os deputados. A única fala que houve aqui foi contra o Bolsonaro. Muito disso foi culpa dele. Ele sancionou o texto. Ele não está governando porra nenhuma, é uma marionete”, criticou um policial em conversa com o deputado federal Luis Miranda (DEM/SP), que prometeu apoio ao grupo. [3]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.