fbpx
PUBLICIDADE


STF decide que apenas subsidiárias de estatais podem ser vendidas sem autorização legislativa

Decisão não contraria as pretensões do governo do presidente Jair Bolsonaro, que conseguiu com isso a flexibilização das regras para a venda de estatais

- Publicado no dia
Supremo Tribunal Federal (Foto: Reprodução / BBC)

A votação do Supremo Tribunal Federal sobre a possibilidade de privatização das empresas estatais sem autorização do Legislativo terminou nesta quinta-feira (6). O resultado mantém o entendimento de que o procedimento não pode acontecer, mas admite que as empresas subsidiárias sejam vendidas dispensando a permissão. [1]

A maioria dos magistrados entendeu que a regra vale também para governos estaduais e prefeituras. Uma empresa subsidiária é uma espécie de subdivisão de uma empresa principal, denominada “empresa-mãe”. A Petrobras, por exemplo, tem 36 subsidiárias e o Banco do Brasil, 16.


PUBLICIDADE



Segundo o Ministério da Economia, das 134 empresas estatais sob a gestão do governo federal, 88 são subsidiárias. Isso significa que o governo precisaria pedir a sanção do Congresso para a privatização de apenas 46 delas. Tendo decidido flexibilizar as regras para a comercialização de estatais, o STF acabou atendendo às pretensões do governo de Jair Bolsonaro.

Os ministros Ricardo Lewandowski e Edson Fachin foram os únicos que votaram por exigir autorização legislativa para a venda de qualquer estatal. Os demais entenderam contrariamente e apenas Cármen Lúcia e Marco Aurélio entenderam que essa operação necessariamente dependeria de licitação.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.