fbpx
PUBLICIDADE


Em projeto sobre CNH, Bolsonaro não acaba com obrigatoriedade de autoescolas

Presidente enviou projeto à Câmara dos Deputados para flexibilizar uma série de aspectos da atual legislação, como ampliação da validade da Carteira Nacional de Habilitação e o limite de pontos para suspensão

- Publicado no dia
Presidente Jair Bolsonaro foi à Câmara apresentar mudanças no Código de Trânsito (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro foi à Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4) apresentar um projeto que flexibiliza uma série de regras do Código de Trânsito Brasileiro. Embora celebrado como uma medida desburocratizante, a necessidade de autoescola para obtenção da primeira carteira não foi alterada. [1][2]

“Nós começamos a acreditar mais na população. Quanto mais lei tem o país é sinal que ele não tá indo no caminho certo. Quanto menos leis, o povo está mais consciente dos seus deveres”, afirmou o presidente.


PUBLICIDADE



Dentre as principais medidas que o projeto prevê, estão o aumento do limite de pontos para suspensão da CNH (de 20 para 40 pontos em um ano), ampliação da validade da carteira (de 5 a 10 anos para adultos, e 2 a 5 anos para idosos) e o fim da exigência do exame toxicológico para motoristas profissionais.

Sobre as autoescolas, uma das principais reclamações existentes é o elevado custo e a burocracia envolvida no aprendizado de novos condutores. Embora nos Estados Unidos a legislação possa alterar de estado para estado, há localidades em que prestar o curso pode ser opcional – o que vale é se o cidadão é aprovado nas provas teóricas e práticas. A mudança no Brasil, contudo, não será dessa vez.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.