fbpx
PUBLICIDADE


Mourão associa games a massacre em escola e internautas reagem com ‘hashtag’

Segunda expressão mais comentada no Twitter era a hashtag #SomosGamersNãoAssassinos, com críticas de internautas à declaração do vice-presidente da República sobre jogos violentos e assassinatos em Suzano

- Publicado no dia
Hamilton Mourão (Foto: Romero Cunha/VPR)

Uma declaração dada pelo vice-presidente da República, General Mourão, logo após o massacre ocorrido em uma escola em Suzano (SP) nesta quarta-feira (13) repercutiu mal entre internautas. Na fala, Mourão associou videogames “violentos” ao crime da cidade paulista.

“Hoje a gente vê essa garotada viciada em videogames e videogames violentos. Só isso que fazem. Quando eu era criança e adolescente, jogava bola, soltava pipa, jogava bola de gude, hoje não vemos mais essas coisas. É isso que temos que estar preocupados”, teria afirmado Mourão de acordo com o reproduzido pelo site da revista Istoé. [1]

Internautas criticaram a declaração e levantaram, na manhã desta quinta-feira (14), a “hashtag” no Twitter #SomosGamesNãoAssassinos. [2]


PUBLICIDADE



“Num país onde cultuam a violência em todas as novelas e filmes aqui feitos, agora querem culpar os games pela violência!”, escreveu uma internauta. [3]

Outro internauta testemunhou que o fato de já ter jogado jogos violentos não lhe fizeram se tornar uma pessoa violenta. “Joguei Assasin’s Creed e não saí por aí assassinando pessoas.  Joguei The Sims e não virei arquiteta. Joguei GTA e nunca roubei um carro. Joguei Minecraft e não sai no meio do mato tentar sobreviver”, comentou. [4]

Até a publicação desta matéria, a hashtag estava entre as duas mais comentadas no Twitter brasileiro. O mercado de games no Brasil girou em 2018 mais de 800 milhões de dólares. [5]

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.