fbpx
PUBLICIDADE


Porta-voz da presidência desconversa sobre poder do Brasil contra Venezuela

Repercutiu nesta sexta-feira (22) a informação de que o governo do ditador Nicolás Maduro teria posicionado mísseis modelo S-300VM a 11 quilômetros da fronteira brasileira

- Publicado no dia
Mísseis Sistema S-300VM (Foto: Reprodução/DefesaNet)

Questionado por jornalistas na coletiva de imprensa concedida no início da noite desta sexta-feira (22) sobre o poder de fogo do Brasil abater mísseis venezuelanos que estariam sendo posicionados próximo a fronteira, o porta-voz Otávio Rêgo Barros desconversou. [1]

“Não conjecturamos poder de combate”, afirmou. O porta-voz ressaltou que o governo brasileiro não confirma a informação de que mísseis venezuelanos foram movidos de lugar.


PUBLICIDADE



De acordo com o site DefesaNET, especializado em informações militares, o governo do ditador Nicolás Maduro teria posicionados mísseis S-300VM, de fabricação russa, próximo à fronteira brasileira, a menos de 11 quilômetros do território nacional. A informação foi repercutida em diversos veículos. [2]

A medida ainda estaria tentando ser compreendida pelo governo brasileiro. Em um primeiro momento, poderia afetar a segurança de todo tráfego aéreo da região norte do Brasil. Um míssil desse modelo seria capaz de atingir e derrubar uma aeronave comercial voando em alta atitude.

O portal observa ainda que, de acordo com um decreto do ano de 2008, uma agressão estrangeira ao Brasil não se daria unicamente pela invasão do território nacional.

Nesta sexta-feira (22), após o fechamento da fronteira da Venezuela por parte de Nicolás Maduro, que não é reconhecido no Brasil, o governo Bolsonaro decidiu montar um gabinete de crise em Brasília. A hipótese de um conflito militar por iniciativa do Brasil é sempre descartada pelo alto escalão. [3][4]

[irp]

[irp]

[irp]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.