fbpx
PUBLICIDADE


Ciro Gomes é condenado pela Justiça após ofender Holiday de ‘capitão do mato’

Em vídeo, vereador Fernando Holiday, de São Paulo e ligado ao MBL, admitiu que a decisão serve para mostrar o quanto grupos de esquerda podem ser racistas e discriminatórios

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Pleno News)

Ex-candidato à presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes foi condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo nesta quinta-feira (20) a indenizar o vereador Fernando Holiday por conta de ofensas associadas à raça do parlamentar em R$ 38 mil. [1]

Em um programa de rádio em 2017, Gomes chamou Holiday de “capitãozinho do mato”, em referência a negros do século 19 que caçavam outros escravos que haviam fugido. A menção a Holiday veio enquanto o então pré-candidato explicava as dificuldades em se costurar uma aliança com o DEM para disputar o Planalto.

“Para quem não sabe, [a associação minha com] a figura de capitão do mato está intrinsecamente ligada ao fato de eu ser negro. […] Os capitães do mato eram considerados traidores e repugnantes. Na maior parte das vezes, eram negros. Esse termo, portanto, principalmente na América, ficou cunhado como uma forma de se ofender os negros. Assim como muitos chamam negros de macacos”, explicou Holiday, em transmissão ao vivo nas redes sociais logo depois que divulgada a decisão. [2]


PUBLICIDADE



O vereador, que é coordenador do Movimento Brasil Livre e ganhou notoriedade durante as manifestações a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, também citou que a esquerda gosta de processar oponentes políticos e que, portanto, sua ação fez com que eles “provassem do próprio veneno”.

“A revolta de Ciro Gomes, mais do que pelo fato de eu ser negro, é pelo fato de eu ser negro e não me submeter às ideias que ele defende. É mais grave ainda. É como se na visão de Ciro Gomes, se você é negro, possui determinada característica física, obrigatoriamente precisa seguir um ideal e se alinhar a um candidato de esquerda”, concluiu Holiday, que salientou que a decisão, mais importante do que o valor da indenização final, é mostrar que como grupos de esquerda podem ser racistas e discriminatórios.

Como tratou-se de uma decisão de primeira instância, Gomes poderá recorrer da decisão.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.