PUBLICIDADE


Governo Bolsonaro planeja ficar apenas com três estatais, diz Salim Mattar

Ativista liberal e atualmente secretário de privatizações do governo Jair Bolsonaro, Salim Mattar defendeu ainda que as empresas que não serão privatizadas se desfaçam de participações

- Publicado no dia
Salim Mattar (Foto: Reprodução/Facebook)

O secretário de privatizações do Ministério da Economia, Salim Mattar, concedeu nesta terça-feira (29) uma entrevista aos veículos de comunicação e revelou um pouco mais sobre seus planos para a pasta. [1]

Para Mattar, que também é empresário e ativista liberal, o governo planeja deixar apenas Petrobras, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil fora da lista de empresas a serem privatizadas.

Além disso, mesmo essas empresas protegidas deverão se desvincular de investimentos acessórios, como ações de outras empresa ou subsidiárias que fujam de sua missão principal.


PUBLICIDADE



“Não há razão para o governo ter uma carteira de ações de empresas. Vamos vender essas empresas e abater dívidas. São R$ 110 bilhões em participação. No último governo vocês viram o que foi o BNDES. Essa farra acabou”, defendeu o secretário.

De acordo com o veiculado pelo jornal Folha de S. Paulo, entre os próximos 120 e 150 dias, um cronograma de privatizações deverá ser divulgado. Apenas em 2019, a expectativa é arrecadar US$ 20 bilhões com privatizações.

Confira também:

► CHEGOU A HORA DE APRENDER SOBRE BITCOINS EM UM GUIA OBJETIVO: Um treinamento para iniciar no mercado de criptomoedas e ganhar dinheiro.

► CRIE UM NEGÓCIO ONLINE E COMPLEMENTE A SUA RENDA. Siga o passo a passo para em 30 dias começar a faturar sem sair de casa.

► VOCÊ SABIA QUE EXISTE TÉCNICA PARA GANHAR NA LOTERIA? Quem comprou, não se arrependeu. 10 dias de garantia ou o seu dinheiro de volta

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.